Um aumento nos casos mostra que o coronavírus não desaparecerá em breve

Compartilhe

Grandes partes do mundo estão surgindo após meses de bloqueio de coronavírus, mas um aumento nos casos globais de Covid-19 mostra que a pandemia não terminará tão cedo.Os dados mostram que os casos globais estão subindo em níveis recordes, muitos deles na América Latina e na Ásia, em países que nunca realmente controlaram o vírus, como Brasil, México e Índia.Em outros países que fizeram um bom progresso em retardar ou conter o vírus – incluindo Alemanha, Coréia do Sul e Austrália – novos picos nos números de casos destacam o quão frágil pode ser o ambiente pós-bloqueio.

Nos EUA, novos grupos de casos em vários estados, muitos no sul, estão forçando os líderes a repensar seus planos e impor novas regras. Alguns estados estão vendo números recordes diários de casos, à medida que a vida social e econômica começa a retornar.Na Alemanha, o estado da Renânia do Norte-Vestfália impôs um novo bloqueio em uma área em torno de uma fábrica de processamento de carne atingida por um surto de coronavírus. Cerca de 1.553 trabalhadores da fábrica de Toennies deram positivo para o Covid-19.O primeiro-ministro do estado, Armin Laschet, anunciou na terça-feira que todo o distrito de Guetersloh – que abriga mais de 360.000 pessoas – ficará trancado na próxima semana.As creches e escolas do distrito já haviam fechado por causa do surto e agora restaurantes, bares e academias também fecharão por uma semana. Reuniões ao ar livre de mais de duas pessoas foram novamente proibidas.O surto elevou a taxa de reprodução Covid-19 do país para 2,88, o que significa que cada pessoa com o vírus está infectando uma média de 2,88 outras pessoas. A Alemanha tentou manter o R ​​abaixo de 1.

Autoridades de saúde da Coréia do Sul, que de várias maneiras deram ao mundo um modelo de como reagir ao vírus, disseram na segunda-feira que uma segunda onda de infecções já estava em andamento lá, tendo começado durante um período de férias em maio.Jung Eun-kyeong, diretor dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças da Coréia, disse que a primeira onda do país terminou em abril, quando novos casos caíram para cerca de 10 por dia. Desde um pico no final de maio, os casos confirmados diariamente costumam estar entre 30 e 60. Um total de 281 pessoas morreram de Covid-19 na Coréia do Sul.Na Austrália, que registrou 102 mortes e pouco mais de 7.400 casos de coronavírus, um novo surto no estado de Victoria obrigou as autoridades a restringir ou reimpor muitas restrições.”Tivemos mais de 120 casos novos nos últimos sete dias e a principal causa desse aumento tem sido os casos em famílias”, disse Brett Sutton, professor chefe de saúde de Victoria.  “As pessoas não seguiram nossos conselhos sobre distanciamento físico, higiene e limitação do número de pessoas que você convida em sua casa”, acrescentou.

Uma aceleração

No Brasil, México e Índia, a história é diferente: esses países têm se esforçado para controlar o vírus e seus números de casos ainda estão aumentando rapidamente.No Brasil, onde o presidente Jair Bolsonaro subestimou repetidamente o risco do vírus, os casos estão aumentando em cerca de 20.000 por dia e as mortes em cerca de 1.000 por dia. O país tem o segundo maior número de infecções no mundo, com mais de 1,1 milhão de casos, enquanto mais de 50.000 pessoas morreram pelo vírus.

Na segunda-feira, o México registrou uma contagem diária mais alta de mortes do que o Brasil pelo segundo dia consecutivo, com 759 mortes registradas recentemente e quase 5.000 novos casos de coronavírus, elevando o número total de casos confirmados no país para mais de 185.000 e o número de mortes para mais de 22.500.É a mesma tendência na Índia, que registrou mais de 100.000 novos casos nos últimos oito dias. Agora, tem mais de 440.000 casos e 14.000 mortes confirmadas. O país impôs um bloqueio no final de março, mas rapidamente começou a diminuir as restrições. Os indianos estão relatando que os hospitais estão sobrecarregados e as pessoas que procuram exames e tratamento estão sendo rejeitadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *