Macron da França critica papel ‘criminoso’ da Turquia na Líbia

Compartilhe

Turquia e França se envolveram em uma guerra de palavras nas últimas semanas pelo papel de cada um na Líbia, devastada pela guerra.

O presidente da França acusou a Turquia de importar um grande número de combatentes para a Líbia, classificando a intervenção de Ancara como “criminosa”.

Emmanuel Macron também criticou a ambivalência do presidente russo Vladimir Putin em relação aos mercenários de seu país que operam no estado norte-africano rico em petróleo.

Recentemente, a Turquia interveio decisivamente na Líbia, fornecendo apoio aéreo, armas e combatentes aliados da Síria para ajudar o governo internacionalmente reconhecido com sede em Trípoli a repelir um ataque de 14 meses pelo renegado comandante oriental Khalifa Haftar.

“Acho que é uma responsabilidade histórica e criminal de um país que afirma ser membro da Otan”, disse Macron na segunda-feira sobre o papel da Turquia na Líbia.

Sem fornecer nenhuma evidência sobre a natureza dos combatentes, ele disse que a Turquia os estava “importando maciçamente” da Síria.

“Arrastando a Líbia para o caos”

Na semana passada, a Turquia criticou fortemente a França, dizendo que Paris pretende restaurar o “antigo domínio colonial” no país do norte da África.

“Devido ao apoio dado a estruturas ilegítimas há anos, a França tem uma responsabilidade importante em arrastar a Líbia ao caos”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Hami Aksoy. 

“O povo da Líbia nunca esquecerá os danos que a França infligiu a este país.” 

Macron negou apoiar as forças do leste de Haftar, dizendo que a França é a favor de encontrar uma “solução política”.

Os laços entre aliados da OTAN, França e Turquia, azedaram nas últimas semanas sobre a Líbia, norte da Síria e perfurações no leste do Mediterrâneo.

As tensões aumentaram após um incidente de 10 de junho entre navios de guerra turcos e uma embarcação francesa no Mar Mediterrâneo, que a França considera um ato hostil sob as regras de combate da OTAN.

A Turquia negou assediar a fragata francesa.

Paris foi acusado de apoiar Haftar politicamente, tendo anteriormente prestado assistência militar.

A França negou há muito tempo apoiar Haftar, mas parou de reprovar seus aliados, especialmente os Emirados Árabes Unidos (EAU), que também foram apontados pelas Nações Unidas por violarem um embargo de armas na Líbia.

Batalha por Sirte

O auto-denominado Exército Nacional da Líbia (LNA) de Haftar é apoiado pelos Emirados Árabes Unidos, Egito e Rússia. Nas últimas semanas, autoridades francesas disseram repetidamente que a intervenção da Turquia estava permitindo que a Rússia ganhasse uma posição maior na Líbia.

Milhares de mercenários russos, juntamente com combatentes do Sudão e do Chade, estão a caminho da cidade estratégica de Sirte, enquanto o Governo do Acordo Nacional (GNA), reconhecido pela ONU, se move para tomar a cidade.

As forças aliadas de Haftar divulgaram um vídeo mostrando reforços militares sendo enviados de Benghazi, onde as forças orientais estão localizadas, em direção a Sirte, a 570 km a oeste. 

Os reforços incluíram combatentes sudaneses e chadianos, além de mais de 3.000 mercenários russos, disseram fontes à Al Jazeera.

Macron da França critica papel ‘criminoso’ da Turquia na Líbia

Turquia e França se envolveram em uma guerra de palavras nas últimas semanas pelo papel de cada um na Líbia, devastada pela guerra.3 horas atrás

Emmanuel Macron também criticou a ambivalência do presidente russo Vladimir Putin em relação aos mercenários de seu país que operam no estado norte-africano rico em petróleo.

Recentemente, a Turquia interveio decisivamente na Líbia, fornecendo apoio aéreo, armas e combatentes aliados da Síria para ajudar o governo internacionalmente reconhecido com sede em Trípoli a repelir um ataque de 14 meses pelo renegado comandante oriental Khalifa Haftar.

“Acho que é uma responsabilidade histórica e criminal de um país que afirma ser membro da Otan”, disse Macron na segunda-feira sobre o papel da Turquia na Líbia.

Sem fornecer nenhuma evidência sobre a natureza dos combatentes, ele disse que a Turquia os estava “importando maciçamente” da Síria.

“Arrastando a Líbia para o caos”

Na semana passada, a Turquia criticou fortemente a França, dizendo que Paris pretende restaurar o “antigo domínio colonial” no país do norte da África.

“Devido ao apoio dado a estruturas ilegítimas há anos, a França tem uma responsabilidade importante em arrastar a Líbia ao caos”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Hami Aksoy. 

“O povo da Líbia nunca esquecerá os danos que a França infligiu a este país.” 

Macron negou apoiar as forças do leste de Haftar, dizendo que a França é a favor de encontrar uma “solução política”.

Os laços entre aliados da OTAN, França e Turquia, azedaram nas últimas semanas sobre a Líbia, norte da Síria e perfurações no leste do Mediterrâneo.

As tensões aumentaram após um incidente de 10 de junho entre navios de guerra turcos e uma embarcação francesa no Mar Mediterrâneo, que a França considera um ato hostil sob as regras de combate da OTAN.

A Turquia negou assediar a fragata francesa.

Paris foi acusado de apoiar Haftar politicamente, tendo anteriormente prestado assistência militar.

A França negou há muito tempo apoiar Haftar, mas parou de reprovar seus aliados, especialmente os Emirados Árabes Unidos (EAU), que também foram apontados pelas Nações Unidas por violarem um embargo de armas na Líbia.

Batalha por Sirte

O auto-denominado Exército Nacional da Líbia (LNA) de Haftar é apoiado pelos Emirados Árabes Unidos, Egito e Rússia. Nas últimas semanas, autoridades francesas disseram repetidamente que a intervenção da Turquia estava permitindo que a Rússia ganhasse uma posição maior na Líbia.

Milhares de mercenários russos, juntamente com combatentes do Sudão e do Chade, estão a caminho da cidade estratégica de Sirte, enquanto o Governo do Acordo Nacional (GNA), reconhecido pela ONU, se move para tomar a cidade.

As forças aliadas de Haftar divulgaram um vídeo mostrando reforços militares sendo enviados de Benghazi, onde as forças orientais estão localizadas, em direção a Sirte, a 570 km a oeste. 

Os reforços incluíram combatentes sudaneses e chadianos, além de mais de 3.000 mercenários russos, disseram fontes à Al Jazeera.

O GNA, liderado pelo primeiro-ministro Fayez al-Sarraj, anunciou que estava determinado a encerrar “a ocupação” das cidades de Sirte e Jufra por combatentes estrangeiros.

Controle de Sirte também significa controle sobre os portos cruciais para exportar a vasta riqueza petrolífera da Líbia. 

‘Condenação clara’

Macron falou com Putin na sexta-feira, mas não conseguiu denunciar Moscou como fez com Ancara. Ele disse que os dois líderes concordaram em trabalhar em direção ao objetivo comum de um cessar-fogo na Líbia.

Na segunda-feira, Macron disse que Putin havia dito a ele que empreiteiros particulares que lutavam na Líbia não representavam a Rússia.

“Eu contei a ele sobre minha condenação muito clara às ações executadas pela força de Wagner. Ele joga nessa ambivalência”, disse o presidente francês.

A Líbia está tumultuada desde 2011, quando um levante apoiado pela Otan derrubou o líder Muammar Kadafi, que foi morto mais tarde.

O país foi dividido principalmente entre administrações rivais no leste e no oeste, cada uma apoiada por grupos armados e diferentes governos estrangeiros.

Com informações Aljazeera

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *