china começa retirar suas tropas, após confrontos com a Índia

Compartilhe

Pequim diz que os dois lados estão tomando medidas efetivas para aliviar as tensões nas fronteiras depois de uma batalha que matou 20 soldados indianos.

A China começou a retirar tropas de sua fronteira contestada com a Índia, disseram fontes do governo indiano, após o pior confronto entre os dois vizinhos com armas nucleares em quase 50 anos, o que deixou 20 soldados indianos mortos .

As forças armadas chinesas foram vistas desmantelando tendas e estruturas na segunda-feira em um local no vale de Galwan, perto do local do último confronto, disseram fontes do governo indiano, que se recusaram a ser identificadas porque não estão autorizadas a falar com a mídia, disse a agência de notícias Reuters . 

Veículos foram vistos saindo da área, bem como em Hot Springs e Gogra – duas outras zonas fronteiriças contestadas, disseram as fontes.

Em resposta a uma pergunta sobre se a China havia transferido equipamentos de volta para o Vale Galwan, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse que os dois lados estavam “tomando medidas efetivas para desviar e facilitar a situação na fronteira”.

“Esperamos que a Índia encontre a China no meio do caminho e tome medidas concretas para cumprir o que os dois lados concordaram, continue a se comunicar de perto por canais diplomáticos e militares e trabalhe em conjunto para acalmar a situação na fronteira”, disse Zhao em entrevista coletiva.

Isso ocorre depois de semanas de tensões  entre os países asiáticos após o seu pior conflito nas fronteiras em mais de cinco décadas. 

INTERATIVO: disputa de fronteira Índia-China em 27 de maio de 2020

A Índia e a China foram acusadas de desencadear a briga de alta altitude no vale de Galwan em 15 de junho, na qual 20 soldados indianos foram mortos e pelo menos 76 ficaram feridos.

O confronto viu soldados envolvidos em brutais brigas corpo a corpo com tacos e varas a cerca de 4.270 metros (14.000 pés) acima do nível do mar em temperaturas abaixo de zero. 

A China ainda não confirmou se sofreu baixas, mas o número de mortes na Índia é o mais alto da fronteira em mais de cinco décadas – uma escalada dramática que levou a semanas de conversas entre oficiais militares sobre como aliviar as tensões.

Na sexta-feira, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi fez uma visita surpresa  à região de Ladakh, no norte do Himalaia e, em uma escavação velada na China, disse que a “era do expansionismo” acabou. 

A Índia reivindica 38.000 km² de terra atualmente sob controle chinês, enquanto as estacas de Pequim reivindicam uma área de 90.000 km2 (34.700 milhas quadradas) em território indiano.

Com informações Aljazeera

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *