Peste bubônica na China não representa um alto risco diz OMS

Compartilhe

O aparente surto de ‘Peste Negra’ na China está sendo ‘bem administrado’ e não representa um alto risco, diz o órgão de saúde.

Um aparente surto de peste bubônica na China está sendo “bem administrado” e não é considerado um risco alto, afirmou uma autoridade da Organização Mundial da Saúde (OMS).

As autoridades locais na cidade de Bayannur, na região chinesa da Mongólia Interior, emitiram um alerta no domingo, um dia depois que um hospital relatou um caso de suspeita de peste bubônica.

Ele seguiu quatro casos relatados de peste em pessoas lá em novembro passado, incluindo dois de peste pneumônica, uma variante mais mortal.

“Estamos monitorando os surtos na China, estamos observando isso de perto e em parceria com as autoridades chinesas e as autoridades da Mongólia”, disse a porta-voz da OMS Margaret Harris em entrevista coletiva da ONU em Genebra na terça-feira.

“Estamos analisando os números de casos na China. Está sendo bem gerenciado.”

“A peste bubônica está conosco e está sempre conosco há séculos”, disse ela, acrescentando: “No momento, não estamos … considerando-o de alto risco”.

A peste bubônica, conhecida como Peste Negra na Idade Média, é uma doença altamente infecciosa e muitas vezes fatal que se espalha principalmente por roedores.

Embora a praga seja rara na China e possa ser tratada, pelo menos cinco pessoas morreram desde 2014, segundo a Comissão Nacional de Saúde da China.

A agência de saúde da ONU disse que foi notificado pela China na segunda-feira de um caso de peste bubônica na Mongólia Interior.

“A peste é rara, normalmente encontrada em áreas geográficas selecionadas em todo o mundo, onde ainda é endêmica”, disse a agência, acrescentando que casos esporádicos de peste foram relatados na China nos últimos 10 anos.

“A peste bubônica é a forma mais comum e é transmitida entre animais e humanos através da picada de pulgas infectadas e contato direto com carcaças de pequenos animais infectados. Não é facilmente transmitida entre pessoas”.

O homem infectado na Mongólia Interior estava em condições estáveis ​​em um hospital em Bayannur, informou a comissão de saúde da cidade em comunicado.

A Agência de Notícias  Xinhua disse na Mongólia vizinha, outro caso suspeito, envolvendo um garoto de 15 anos que estava com febre depois de comer uma marmota caçada por um cachorro, foi noticiado na segunda-feira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *