“Aventura perigosa”: Turquia alerta Egito sobre invasão da Líbia

Compartilhe

Na reunião de Istambul, Rússia e Turquia concordam em pressionar por um cessar-fogo, mas Ancara diz que o comandante do leste deve recuar.

Turquia e Rússia concordaram na quarta-feira em pressionar por um cessar-fogo na Líbia devastada pela guerra, mas Ancara disse que o líder das forças orientais é ilegítimo e deve se retirar de posições-chave para que uma trégua credível seja tomada.

Moscou e Ancara estão entre os principais agentes do poder no conflito da Líbia, ao mesmo tempo em que apóiam lados opostos. A Rússia apóia as forças do leste do comandante militar renegado Khalifa Haftar, enquanto a Turquia ajudou o Governo do Acordo Nacional de Trípoli (GNA) a repelir a tentativa de Haftar de invadir a capital.

“Acabamos de chegar a um acordo com a Rússia para trabalhar em um cessar-fogo confiável e sustentável na Líbia”, disse à agência de notícias Reuters o principal assessor de segurança do presidente Recep Tayyip Erdogan, Ibrahim Kalin.

Kalin disse que qualquer acordo deve basear-se no retorno às linhas de frente da Líbia em 2015, exigindo que as forças de Haftar se afastem da cidade estratégica de Sirte – porta de entrada para os campos de petróleo do leste da Líbia – e al-Jufra, uma base aérea perto da região. centro do país.

Para que o cessar-fogo seja sustentável, Jufra e Sirte devem ser evacuados pelas forças de Haftar”, disse Kalin.

Batalha por Sirte

As forças apoiadas pela Turquia, aliadas ao governo reconhecido pela ONU na capital, estão se mobilizando nos arredores de Sirte e prometeram retomar a cidade mediterrânea junto com a base aérea interior al-Jufra.

Os Estados Unidos disseram que Moscou enviou aviões de guerra a al-Jufra, via Síria, para apoiar os mercenários russos que lutam ao lado do auto-denominado Exército Nacional da Líbia (LNA). A Rússia e o LNA negam isso.

O Egito, que também apóia o LNA, ameaçou enviar tropas para a vizinha Líbia se o GNA e as forças turcas tentarem capturar Sirte. O parlamento egípcio no domingo deu sinal verde para possível intervenção militar.

Kalin disse que qualquer envio egípcio na Líbia dificultaria os esforços para acabar com os combates e seria arriscado para o Cairo. “Acredito que será uma perigosa aventura militar para o Egito”.

O ministro das Relações Exteriores do Egito, Sameh Shukry, disse na quarta-feira que alcançar uma solução política na Líbia exige uma resposta “firme” a “extremistas” e interferência estrangeira, que “não apenas ameaçam os interesses do Egito, mas também a segurança dos países do Mediterrâneo”.

Ele observou uma proposta de paz anunciada no Cairo no mês passado com o objetivo de estabilizar a Líbia e eliminar combatentes armados e milícias no país rico em petróleo.

A proposta anunciada pelo presidente Abdel Fattah el-Sisi incluía um cessar-fogo e um novo órgão presidencial eleito representando as três regiões da Líbia. O campo leste da Líbia aceitou a proposta, apelidada de Declaração do Cairo, enquanto a administração de Trípoli a rejeitou.

O acordo conjunto de quarta-feira da Turquia e da Rússia sobre seus esforços de cessar-fogo incluiu um apelo a medidas para permitir o acesso humanitário aos necessitados e esforços para promover o diálogo político entre os lados rivais da Líbia.

Mas Kalin disse que Haftar havia violado acordos de trégua anteriores e não era um parceiro confiável, sugerindo que outras figuras no leste deveriam desempenhar um papel.

“Não tomamos [Haftar] como um ator legítimo”, disse ele. “Mas há outro parlamento em Tobruk. Há outros jogadores em Benghazi. As negociações terão que ocorrer entre eles.”

O próprio LNA enviou combatentes e armas para reforçar sua defesa de Sirte, já bastante prejudicada pelas fases anteriores da guerra e do caos desde a revolução de 2011 contra o autocrata Muammar Kadafi.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que apóia um cessar-fogo e negociações políticas que culminariam em autoridades governamentais unidas. A Rússia recebeu delegações de ambos os lados do conflito líbio em Moscou e tentou e não conseguiu que Haftar assinasse um acordo de cessar-fogo.

‘Todos os tipos de bullying’

Os comentários de Shukry foram feitos em telefonemas separados com o ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, e o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, de acordo com um comunicado do Ministério das Relações Exteriores do Egito.

Enquanto isso, Erdogan presidiu uma reunião de segurança de alto nível que se concentrou na Líbia na quarta-feira.

Um comunicado divulgado no final da reunião do Conselho de Segurança Nacional disse que a Turquia não hesitaria em tomar todas as medidas necessárias contra “todos os tipos de bullying” ocorridos na Líbia.

O conselho prometeu “apoiar o povo da Líbia contra qualquer tirania”.

O Egito, os Emirados Árabes Unidos e outras potências estrangeiras forneceram às forças de Haftar assistência militar crítica.

A Rússia também enviou centenas de mercenários através do Grupo Wagner, uma empresa militar privada.

A Líbia mergulhou no caos quando um levante apoiado pela OTAN em 2011 derrubou Gaddafi que foi morto mais tarde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *