Regime de Nicolás Maduro está usando a tecnologia chinesa para controlar ainda mais os venezuelanos

Compartilhe

A Comissão de Relações Exteriores do Senado dos EUA garantiu que o regime chavista está usando sistemas inteligentes de monitoramento e tecnologia de reconhecimento facial desenvolvidos e instalados por empresas chinesas

Um relatório apresentado pela Comissão de Relações Exteriores do Senado dos Estados Unidos disse que a China está usando o espaço cibernético para que o regime autoritário de Nicolás Maduro possa aproveitar ao máximo o hardware e os serviços da gigante asiática para controlar ainda mais os venezuelanos.

O documento, liderado pelo senador democrata Bob Menéndez, diz que a Venezuela possui equipamentos de Internet, além de redes móveis, sistemas de monitoramento inteligentes e tecnologia de reconhecimento facial desenvolvida e instalada por empresas chinesas.

Além disso, oficiais da ditadura viajaram para a China para participar de seminários de gerenciamento de informações.

Segundo a carta , o regime “usa essas tecnologias para censurar e controlar seus críticos, bloqueando plataformas de mídia social e conteúdo político, usando comentaristas pró-regime para manipular discussões on-line, rastrear e deter críticos do governo e acessar dados de organizações de direitos humanos ”.

Segundo o texto, a empresa chinesa de telecomunicações ZTE ajudou o regime a criar o cartão da pátria da Venezuela, um cartão que os críticos denunciaram e que serve para exercer maior controle social da população.

Os funcionários da entidade que gerencia o sistema de cartões garantem que o banco de dados armazene informações sobre data de nascimento, família, emprego e renda, propriedades, histórico médico, benefícios recebidos do Estado, presença nas redes sociais, afiliação de terceiros. políticos e registros de votação.

A ZTE também apoiou o regime de Maduro na construção de seis centros de resposta a emergências nas grandes cidades e na centralização de videovigilância do governo , informou a agência de notícias Voice of America .

O relatório assinado por Menéndez foi encomendado a importantes membros do Comitê de Relações Exteriores do Senado e redigido após análise de documentos e entrevista com ex-funcionários do governo e especialistas não-governamentais, segundo o jornal local El Nacional.

O documentário mostra como o governo chinês está formando um sistema legal para fortalecer a manipulação do Partido Comunista das ferramentas do “autoritarismo digital e exportá-lo para fora de suas fronteiras”.

“A República Popular da China está avançando na construção e expansão do autoritarismo digital por meios econômicos, políticos, diplomáticos e coercitivos em casa e no exterior”, detalha o documento.Partido Comunista Chinês Partido Comunista Chinês

A investigação do Senado também se refere a relatos de que países como Equador, Sérvia, Zimbábue, Uzbequistão, Quirguistão e Paquistão “têm ou procuram adquirir tecnologias chinesas de informação e comunicação” para integrá-las à sua infraestrutura nacional.

Como no caso da Venezuela, no Equador, o relatório aponta, duas empresas chinesas, a Huawei e a China National Electronics Import & Export Corporation, desenvolveram um sistema de vigilância sob o governo do ex-presidente Rafael Correa.

A ZTE e a empresa chinesa de tecnologia Huawei estão na vanguarda do desenvolvimento da infraestrutura de telecomunicações das novas redes de telefonia móvel 5G, e seus tentáculos chegam ao mundo inteiro, incluindo a América Latina.

Não apenas a China está disposta a entrar em mercados menores, mas as empresas chinesas podem oferecer preços melhores do que as empresas ocidentais, diz o relatório.

Washington pressionou seus aliados a não usarem o equipamento da gigante de telecomunicações Huawei em redes 5G e está conseguindo, principalmente na Europa. No entanto, na América Latina, em muitos dos países que fazem negócios com Pequim, o resultado pode ser diferente.

O Brasil, outro parceiro nos Estados Unidos, terá que decidir em breve se a Huawei continuará envolvida em sua infraestrutura 5G, diz o relatório.

A Huawei, entre outras coisas, tem entre seus planos a construção de uma fábrica de montagem de smartphones no estado de São Paulo.

Nesse contexto, o legislador Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, disse que ainda temos que ver como o Brasil gerencia a presença da Huawei em suas redes 5G, continuou El Nacional.

Enquanto isso, no México e na Argentina há planos para o surgimento das primeiras redes 5G em 2020 e os dois países consideram permitir a participação da Huawei , acrescenta o texto.

A relação entre as nações mencionadas, assegura o relatório do Senado, demonstra as intenções da China de “estabelecer, expandir, internacionalizar e institucionalizar um modelo de governança digital que este relatório descreve como autoritarismo digital”.

Por fim, a pesquisa lembra que os Estados Unidos não têm um fornecedor nacional de 5G e outros países estão procurando alternativas à variante chinesa de subsidiar a Huawei e oferecer preços muito mais baixos, o que consideram uma concorrência desleal.

Portanto, ele recomenda que “os Estados Unidos encontrem, desenvolvam e sigam políticas que abram o caminho para que a indústria nacional se torne um ator líder em todas as facetas do domínio 5G no futuro”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *