Em Berlim, milhares protestam contra restrições impostas por covid-19

Compartilhe

Manifestantes ignoram aumento das infecções por coronavírus e evitam distanciamento ao protestar contra medidas do governo, enquanto aumentam alertas sobre possível segunda onda de covid-19 na Alemanha.

Apesar de as infecções pelo novo coronavírus voltarem a aumentar na Alemanha, elevando os temores de uma segunda onda da doença no país, milhares de pessoas se reuniram em Berlim neste sábado (01/08) para protestar contra as restrições impostas pelo governo.

A multidão era formada por uma combinação de grupos de extrema direita, pessoas contrárias à vacinação, defensores de teorias da conspiração e outros descontentes com as medidas para conter a disseminação do vírus.

“Somos a segunda onda”, gritavam alguns manifestantes, enquanto outros pregavam “resistência” e classificavam a pandemia como “a maior teoria da conspiração”. Alguns carregavam cartazes com dizeres como “corona: alarme falso”; “somos forçados a usar mordaças”; “defesas naturais ao invés de vacinas” e outros que pediam a reinstituição dos direitos fundamentais.

Segundo a polícia, em torno de 15 mil pessoas participaram do chamado “Dia da liberdade”, número bem inferior ao de 500 mil anunciado pelos organizadores. Poucas máscaras forma vistas em meio aos grupos que caminhavam do portão de Brandemburgo até o parque Tiergarten.

O distanciamento de 1,5 metros, estabelecido pelas regras do governo federal, foi amplamente desrespeitado, apesar de policiais insistirem através de megafones para que as pessoas obedecessem a regra. Através do Twitter, a polícia de Berlim afirmou que abriu processos legais contra os organizadores do protesto, em razão da “desobediência às regras de higiene”.

Segundo a repórter da DW Leonie von Hammerstein, muitos dos participantes vieram de outras regiões do país, inclusive do sul, onde as medidas de restrição tiveram um forte impacto no setor do turismo.

Ela contou ter sido hostilizada por manifestantes, com ataques e abusos verbais, inclusive de um homem que gritou próximo a seu rosto, afirmando que o bilionário Bill Gates estaria por trás do coronavírus e o governo alemão o ajudaria fazer com que as pessoas sejam forçadas a receber a vacina.

O nome “Dia da liberdade”, escolhido como slogan do protesto, remete a um documentário de 1935 do produtor Leni Riefenstahl que mostrava uma conferência do Partido Nacional-Socialista Alemão dos Trabalhadores (Nazionalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei – NSDAP), de Adolf Hitler.

A Alemanha soma pouco mais de 9 mil mortes por covid-19, um número bastante inferior ao de vários outros países europeus. Apesar de os dados serem relativamente baixos, as autoridades se preocupam com o aumento das infecções no país registrado nas últimas semanas, após o relaxamento das medidas de contenção.

O ministro da Economia, Peter Altmaier, disse que o país deve adotar medidas mais rígidas contra as pessoas que violarem as regras para conter a disseminação do coronavírus. “Qualquer um que deliberadamente colocar os outros em risco deve contar com sérias consequências para si”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *