Crescimento da cidade favorece animais ‘mais propensos a transmitir doenças’

Compartilhe

Transformar espaços selvagens em terras agrícolas e cidades criou mais oportunidades para doenças animais se transformarem em seres humanos, alertaram os cientistas.

Nossa transformação da paisagem natural expulsa muitos animais selvagens, mas favorece espécies com maior probabilidade de transmitir doenças, sugere um estudo.

O trabalho aumenta as evidências crescentes de que a exploração da natureza alimenta pandemias.

Os cientistas estimam que três em cada quatro novas doenças infecciosas emergentes são provenientes de animais.

O estudo mostra que, em todo o mundo, moldamos a paisagem de maneira a favorecer espécies com maior probabilidade de transmitir doenças infecciosas.

E quando convertemos habitats naturais em fazendas, pastagens e espaços urbanos, aumentamos inadvertidamente a probabilidade de patógenos passarem de animais para humanos.

“Nossas descobertas mostram que os animais que permanecem em ambientes mais dominados por humanos são aqueles com maior probabilidade de transmitir doenças infecciosas que podem deixar as pessoas doentes”, disse Rory Gibb, da University College London (UCL).

Como a modificação da paisagem pode causar doenças?

A transformação de florestas, campos e desertos em cidades, subúrbios e terras agrícolas levou muitos animais selvagens à extinção.

Terras agrícolas, Califórnia
Legenda da imagemMais da metade da terra habitável do mundo foi modificada por humanos

Animais de vida curta que podem sobreviver na maioria dos ambientes, como ratos e pombos, prosperaram às custas de animais de vida longa, como rinocerontes, que têm requisitos de habitat especializados.

Alguns roedores, por exemplo, que carregam uma variedade de vírus, prosperam em espaços urbanos, onde outras espécies foram perdidas.

A nova evidência vem da análise de um conjunto de dados de 184 estudos que incorporam quase 7.000 espécies animais, 376 das quais são conhecidas por transportar patógenos compartilhados com seres humanos.

O que podemos fazer para interromper os eventos de repercussão?

Existem muitos fatores envolvidos no que os cientistas chamam de transbordamento – quando um patógeno passa de um animal para o humano, causando surtos de doenças, que podem se tornar pandemias.

Sabemos, por exemplo, que o contato próximo com animais selvagens através da caça, comércio ou perda de habitat coloca o mundo em maior risco de surtos de novas doenças.

Pensa-se que o coronavírus tenha se originado em morcegos, com outros animais selvagens, desempenhando um papel na transmissão aos seres humanos. Há fortes indícios de uma fonte de vida selvagem e um link para o comércio.

Verificou-se que animais selvagens em risco de extinção devido à exploração humana transportam o dobro de vírus que podem causar doenças humanas do que as espécies ameaçadas listadas por outros motivos. O mesmo vale para espécies ameaçadas em risco devido à perda de habitat.

O novo estudo, publicado na revista Nature, mostra que os animais que vivem nos ambientes modelados por seres humanos carregam mais patógenos do que os habitats primitivos.

E destaca uma percepção equivocada do público de que a natureza selvagem, como florestas indomáveis, é a maior fonte de cruzamento de doenças.

De fato, as maiores ameaças parecem surgir onde as áreas naturais foram convertidas em áreas de cultivo, pastagens, cidades e subúrbios.

A professora Kate Jones, da UCL, disse que os resultados apontam para estratégias que podem ajudar a mitigar o risco de futuras ameaças à saúde pública.

“Como se prevê que as terras agrícolas e urbanas continuem se expandindo nas próximas décadas, devemos fortalecer a vigilância de doenças e a prestação de assistência médica nas áreas que sofrem muitos distúrbios de terra, pois é cada vez mais provável que tenham animais que possam hospedar animais nocivos. patógenos “, disse ela.

Por que espécies como ratos estão em ascensão?

O estudo baseia-se em pesquisas anteriores, mostrando como a modificação de terras para agricultura e construção de cidades está favorecendo a mesma espécie em todos os lugares.

Animais como ratos e pombos estão substituindo os menos comuns, que podem sobreviver apenas em certos habitats.

Quando os humanos modificam habitats, espécies mais únicas são constantemente perdidas e substituídas por espécies encontradas em todos os lugares, como pombos nas cidades e ratos em terras agrícolas.

Esses sobreviventes parecem ser os que hospedam o maior número de doenças. Eles incluem certos roedores, morcegos e pássaros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *