Huawei: EUA reforçam restrições à gigante chinesa

Compartilhe

Os Estados Unidos estão colocando mais restrições à Huawei Technologies em uma tentativa de limitar o acesso da empresa a componentes eletrônicos.

O objetivo é impedir que a empresa chinesa compre chips de computador feitos com tecnologia norte-americana, mesmo que não tenham sido projetados especificamente para a Huawei.

Ele também adiciona 38 nomes ligados à Huawei a uma lista negra de negócios.

“A Huawei tem tentado continuamente escapar” das restrições impostas em maio, disse o secretário de Estado Mike Pompeo.

Naquela época, o Departamento de Comércio dos Estados Unidos disse que os fabricantes globais de chips que usavam tecnologia dos Estados Unidos deveriam obter uma licença do governo dos Estados Unidos para trabalhar em projetos para a Huawei.

O novo pedido amplia essas restrições, exigindo que as empresas busquem permissão, mesmo que estejam vendendo um projeto de uso geral “pronto para uso”.

“Como restringimos seu acesso à tecnologia dos Estados Unidos, a Huawei e suas afiliadas trabalharam por meio de terceiros para aproveitar a tecnologia dos Estados Unidos de uma maneira que prejudica a segurança nacional dos Estados Unidos e os interesses da política externa”, disse o secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross.

“Esta ação multifacetada demonstra nosso compromisso contínuo em impedir a capacidade da Huawei de fazê-lo.”

Em uma reunião em maio, a gigante da tecnologia descreveu como as ações dos EUA desde 2019 a forçaram a refazer sua cadeia de suprimentos, comparando a empresa a um avião “crivado de buracos de bala”.

Os EUA afirmam que a tecnologia da Huawei poderia ser usada pelo governo chinês e pressionaram governos em todo o mundo – incluindo o Reino Unido – a cortar relações com a empresa, chamando-a de ameaça à segurança nacional.

A Huawei contestou essas afirmações, argumentando que os EUA são motivados pela competição econômica.

Relações azedadas

A ação de segunda-feira contra a Huawei é uma das muitas medidas punitivas que os EUA tomaram contra as empresas de tecnologia chinesas nos últimos meses, à medida que as relações entre os EUA e a China azedaram.

No início deste mês, Pompeo descreveu os passos que deseja que as empresas americanas tomem para lidar com “aplicativos chineses não confiáveis”.

Pompeo disse na época que aplicativos como o TikTok e o WeChat representavam “ameaças significativas aos dados pessoais dos cidadãos americanos”.

O governo dos EUA argumenta que esses aplicativos colhem dados de cidadãos americanos e podem ser explorados pelo Partido Comunista Chinês, o que Pequim negou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *