Fortnite: Epic apresenta nova liminar contra a Apple

Compartilhe

A fabricante do Fortnite, Epic Games, entrou com uma nova liminar contra a Apple em sua disputa contínua com a gigante da tecnologia sobre sua política na App Store.

A Apple retirou o Fortnite da loja depois que o jogo ofereceu um desconto em sua moeda virtual para compras feitas fora do aplicativo, do qual a Apple recebe um corte de 30%.

A Epic diz que a taxa é injusta.

E agora, diz ele, a Apple ameaçou removê-lo de seu programa para desenvolvedores, em 28 de agosto.

Isso o deixaria incapaz de oferecer quaisquer outros jogos ou aplicativos nas plataformas da Apple.

Oferecer apenas compras dentro do aplicativo é uma condição para estar tanto na App Store da Apple quanto na Play Store do Google – e ambas as empresas recebem a mesma porcentagem das vendas.

Depois de contornar a regra, Fortnite foi removido de ambas as lojas na semana passada. Ela entrou com ações judiciais separadas contra eles.

Os jogadores Fortnite existentes nessas plataformas (telefones iPhone ou Android, por exemplo) ainda têm o jogo, mas atualmente não conseguem obter atualizações, que são regularmente lançadas em outros lugares.

Novos jogadores não podem fazer o download.

A Apple deu à Epic duas semanas para restabelecer os pagamentos no aplicativo, se quiser que o Fortnite volte à loja.

Em seus últimos documentos legais , a Epic diz que será “irreparavelmente prejudicada” por ser completamente removida do programa de desenvolvimento da Apple.

A proibição também incluiria seu Unreal Engine, uma ferramenta gráfica popular amplamente usada por desenvolvedores terceirizados de outros jogos, filmes e realidade virtual – o que significa que eles também teriam que encontrar uma ferramenta alternativa.

‘Sem exceção’

Em um comunicado, a Apple disse que as regras se aplicam a todos os aplicativos da loja e que a Epic criou o problema para si mesma ao decidir quebrar os termos.

“Não abriremos uma exceção para a Epic porque não achamos certo colocar seus interesses comerciais à frente das diretrizes que protegem nossos clientes”, disse.

A Epic acusou a Apple de operar “um monopólio completo” sobre um bilhão de usuários de seu sistema operacional, que sustenta todos os dispositivos da Apple, incluindo o iPhone, iPad e Macbook.

A Apple respondeu que a Epic se beneficiou por estar na App Store e “cresceu e se tornou um negócio multibilionário”.

A Epic não é a primeira desenvolvedora a questionar a estrutura de taxas da App Store, embora seja talvez a maior.

Em junho, um aplicativo de e-mail chamado Hey também se posicionou contra isso.

“Se não gostamos do acordo que a Apple está nos oferecendo – que é pagar 30% ou sermos expulsos – o que faremos a respeito? Para onde iremos?” o desenvolvedor David Heinemeier Hansson disse à BBC News na época.

“Se você lançar um novo software hoje e não estiver disponível no iPhone, você ficará invisível.”

A UE está investigando se as condições da App Store da Apple violam suas regras de concorrência .

E no mês passado o presidente-executivo, Tim Cook, compareceu ao Subcomitê Antitruste do Judiciário da Câmara, nos Estados Unidos, ao lado de colegas da Amazon, Facebook e Google.

Todos enfrentaram alegações de que abusaram de suas posições de liderança de mercado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *