TikTok lança ação legal contra Trump por proibição

Compartilhe

O app de vídeo chinês TikTok está entrando com uma ação legal para contestar uma proibição imposta pelo presidente dos EUA, Donald Trump.

A ordem executiva de Trump proíbe transações com o proprietário da TikTok, ByteDance, a partir de meados de setembro.

Autoridades em Washington temem que a empresa possa repassar dados sobre usuários americanos para o governo chinês, algo que a ByteDance negou fazer.

O aplicativo de compartilhamento de vídeo curto tem 80 milhões de usuários ativos nos EUA.

A TikTok afirma que tentou se envolver com a administração de Trump por quase um ano, mas encontrou uma falta de devido processo e uma administração que “não dá atenção aos fatos

“Para garantir que o estado de direito não seja descartado e que nossa empresa e usuários sejam tratados de forma justa, não temos escolha a não ser contestar a ordem executiva por meio do sistema judicial”, disse um porta-voz da empresa.

A TikTok espera que a ação legal comece esta semana, disse a repórter Vivienne Nunis da BBC Business.

Na sexta-feira, um grupo de sino-americanos entrou com um processo separado contra a proibição semelhante do presidente ao aplicativo de mídia social WeChat, que é propriedade da empresa chinesa Tencent.

Os usuários do TikTok postam videoclipes curtos na plataforma sobre tópicos que vão desde rotinas de dança a política internacional. Sua popularidade explodiu nos últimos meses, principalmente entre os adolescentes, e seu download foi feito mais de um bilhão de vezes em todo o mundo.

Mas Trump afirma que a China pode usar o aplicativo para rastrear a localização de funcionários federais, coletar informações para uso em chantagem ou espionar empresas.

O crescimento de aplicativos móveis desenvolvidos e pertencentes a empresas chinesas “ameaça a segurança nacional, a política externa e a economia dos Estados Unidos”, disse Trump.

“Esta coleta de dados ameaça permitir que o Partido Comunista Chinês tenha acesso às informações pessoais e proprietárias dos americanos”, afirma ele em sua ordem executiva.

A TikTok diz que nunca entregou nenhum usuário de dados dos EUA às autoridades chinesas.

As ações de Trump contra o TikTok e o WeChat são as mais recentes em uma campanha crescente contra a China antes das eleições presidenciais dos EUA em novembro.

Desde que assumiu o cargo, ele trava uma guerra comercial contra a China.

Os EUA não são o único país a introduzir blocos no TikTok. A Índia proibiu o uso do aplicativo e a Austrália também está considerando entrar em ação.

O WeChat é muito popular entre os usuários que têm conexões com a China, onde as principais plataformas de rede social – como WhatsApp e Facebook – estão bloqueadas.

Também é visto como um instrumento fundamental no aparato de vigilância interno da China – exigindo que os usuários locais que foram acusados ​​de espalhar boatos maliciosos registrem uma varredura facial e uma impressão de voz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *