ONU renovará mandato de manutenção da paz no Líbano e reduzirá tropas

Compartilhe

O Conselho de Segurança da ONU (UNSC) vai estender o mandato para uma força de paz no sul do Líbano por mais um ano na sexta-feira, mas vai reduzir o número de soldados em meio às críticas dos EUA e de Israel sobre a eficiência da missão, disseram diplomatas.A Força Interina da ONU no Líbano, que este ano contava com mais de 11.000 funcionários, atuou no sul do Líbano desde 1978. A partir de 2006, foi incumbida de monitorar o cumprimento da Resolução 1701 da ONU, que estabelecia os termos do cessar-fogo que encerrou o segundo Guerra do Líbano.

A UNIFIL tem sofrido fortes críticas nos últimos anos tanto dos Estados Unidos quanto de Israel. Os dois países argumentaram que o mandato da UNIFIL falha em empoderá-la totalmente para operar como uma força de observadores contra o Hezbollah.Eles estão particularmente preocupados com a falha do mandato em garantir que a UNIFIL possa procurar túneis de terror que o Hezbollah construiu ao longo da fronteira para atacar Israel.Israel e os Estados Unidos gostariam de ver o mandato expandido para incluir, entre outras coisas, a capacidade da UNIFIL de entrar em casas no sul do Líbano para procurar formas de entrada para túneis.Israel, em particular, argumentou que, a menos que a UNIFIL esteja totalmente habilitada, há pouco sentido em manter sua presença na fronteira.Embora exista amplo apoio à UNIFIL entre os 15 Estados membros do Conselho de Segurança, há uma forte divisão no que diz respeito ao mandato sob o qual opera. Os EUA são um dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança com poder de veto.

A França, supervisionando o progresso da resolução nas Nações Unidas, distribuiu um rascunho final de compromisso na quinta-feira, que será submetido a votação na tarde de sexta-feira.O teto de tropas foi reduzido de 15.000 para 13.000 para atender a uma demanda importante dos EUA, embora um diplomata tenha chamado isso de uma mudança simbólica, já que apenas 10.500 soldados estão atualmente destacados.Uma autoridade presidencial francesa disse que a renovação agora era certa. “É importante para o Líbano e Israel”, disse o funcionário. “O que se espera do Hezbollah é que ele não faça nada que possa levar a uma escalada.”Um segundo diplomata ocidental disse também que o mandato será renovado. Os Estados Unidos ficaram satisfeitos porque pediram um plano detalhado para melhorar a eficiência da missão e apresentar um relatório ao conselho dentro de 60 dias, disse o diplomata.A resolução, vista pela Reuters, também foi endurecida, pedindo que a UNIFIL tenha acesso aos túneis descobertos na Linha Azul, e que as autoridades libanesas os investiguem. Condena os esforços para restringir os movimentos da missão.O resultado da votação deve ser anunciado na noite de sexta-feira, 28 de agosto, em Nova York.A vice-presidente do Knesset, Sharren Haskel (Likud), escreveu uma carta ao Conselho de Segurança antes da votação, na qual ela instava os membros a reformar a UNIFIL ou dissolvê-la.“Peço a você que o renove somente depois de reexaminar as tarefas e diretrizes da UNIFIL e fornecer às suas tropas autoridade e meios para cumprir sua missão”, escreveu Haskel, que também preside o Subcomitê de Relações Exteriores do Knesset.“É crucial que, sob um mandato renovado, as forças da UNIFIL não precisem mais solicitar permissão ou coordenar a entrada e a busca em áreas, complexos e bases dentro do território sob sua supervisão no sul do Líbano. 

Seja uma base militar libanesa, fortaleza do Hezbollah ou propriedade privada.“A falta de acesso e solicitação de permissão os impede de encontrar armas e fortalezas de células terroristas ativas”, explicou Haskel.“Além disso”, escreveu ela, “ao lado do equipamento militar padrão e ineficaz e de rotina, as forças da UNIFIL terão que ser equipadas com vigilância adequada e tecnologia de segurança para coleta de inteligência e patrulhamento territorial, a fim de alcançar a dissuasão adequada, o que é mais importante.“Sem uma reforma na autoridade e no equipamento, tenho pouca esperança de que a UNIFIL seja capaz de manter qualquer influência na fronteira libanesa-israelense e certamente continuará a não ter nenhum efeito como força de manutenção da paz.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *