Talvez os cães não entendam muito o que falamos, aponta estudo

Compartilhe

A comunicação entre humanos e cães já foi matéria de muitos estudos. Nos últimos anos tem havido muito debate sobre o real entendimento dos animais – principalmente cachorros – da linguagem humana. O único consenso até o momento é que os cães realmente têm uma cognição desenvolvida, alta sociabilidade e que entendem nossas expressões faciais. No entanto, pesquisadores da Universidade de Eötvös Loránd, em Budapest demonstraram que talvez nossos amigos caninos entendam muito pouco das nossas palavras.

(Imagem de Rebecca Schönbrodt-Rühl por Pixabay)

Para tanto, os pesquisadores mediram a atividade cerebral dos cães. Não se assuste, o processo foi feito de forma não invasiva por um eletroencefalograma. O exame mostrou que a reação dos cães não era muito diferente ao ouvir uma palavra conhecida e uma combinação de sílabas sem sentido, com um som parecido à da palavra conhecida. A partir disso os pesquisadores puderam concluir que é provável que os cães entendam apenas um conjunto pequeno de palavras, raramente chegando a mais de 100.

Os resultados foram, de fato, muito sugestivos. Contudo, os pesquisadores ainda não encontraram uma hipótese para provar o motivo dessa restrição no entendimento dos cães. Nesse sentido, essa característica não deve ter relação com a audição, uma vez que os ouvidos dos cães funcionam ainda melhor que o dos seres humanos.

Por que os humanos falam e os cães não?

Até os dois anos de idade, os seres humanos têm uma comunicação parecida com a dos cães. Isso porque nessa fase do desenvolvimento os bebês também ainda não são capazes de entender um conjunto de palavras muito grande. Daí vêm as palavras ininteligíveis das crianças pequenas. De acordo com os autores do estudo, a partir dos 14 meses as crianças começam a aprender que o som de cada palavra importa bastante para formar o sentido de algo.

Contudo, mesmo os cãezinhos mais velhos não demonstraram nenhum aumento no vocabulário ao longo do tempo. Isso sugere que os cães não passam nem de perto pelas mudanças cognitivas pelas quais os bebês humanos passam. Desse modo, nossos caninos podem se relacionar muito profundamente conosco, estabelecendo uma relação de confiança que já dura milhares de anos. Portanto, é provável que ao longo desses milhares de anos os nossos cachorros não tenham entendido o real significado do que falamos. Eles apenas reagem de forma instintiva, por causa do reforço positivo.

No artigo os cientistas ainda afirmaram que pesquisas futuras devem melhorar o entendimento de como funciona o processamento de palavras para os cães. Isso pode ser feito, afirma-se, utilizando também a técnica de eletroencefalograma desse estudo.

O estudo científico foi publicado no periódico Royal Society.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *