Nova variante de Covid 19 detectada em 13 países contém uma mutação preocupante

Compartilhe

A variante, chamada B.1.525, contém uma mutação preocupante.

Uma nova variante do coronavírus foi detectada no Reino Unido, Nigéria e 11 outros países, incluindo os EUA, de acordo com um relatório de pesquisadores da Universidade de Edimburgo. 

A variante, denominada B.1.125, contém uma mutação na proteína spike do vírus, que permite que ele se ligue e entre nas células humanas. Os cientistas temem que, por causa dessa mutação, conhecida como E484K, as vacinas atuais possam ser menos eficazes contra essa nova variante.  

Essa mutação também aparece nas variantes do coronavírus que já foram encontradas na África do Sul e no Brasil, de acordo com o The Guardian . Também apareceu em algumas amostras da variante do Reino Unido, conhecida como B.1.1.7, como Live Science relatado anteriormente . Os pesquisadores acreditam que a mutação E484K pode ajudar o vírus a escapar dos chamados anticorpos neutralizantes, que se ligam ao vírus e evitam que ele infecte as células, de acordo com o The Guardian.

Simon Clarke, professor associado de microbiologia celular da Universidade de Reading, disse ao The Guardian que a mutação E484K torna a variante sul-africana resistente a algumas vacinas, e ele teme que a nova variante também possa ser um pouco resistente. 

“Ainda não sabemos quão bem esta [nova] variante se espalhará, mas se for bem-sucedida, pode-se presumir que a imunidade de qualquer vacina ou infecção anterior será atenuada”, disse Clarke ao The Guardian.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças , as variantes virais da África do Sul, Reino Unido e Brasil parecem ser mais contagiosas do que a cepa original do coronavírus. Mas isso ainda não foi confirmado para esta nova variante. 

“Atualmente, não há evidências de que este conjunto de mutações cause doenças mais graves ou maior transmissibilidade”, disse Yvonne Doyle, diretora médica da Public Health England (PHE), em um comunicado, segundo a Reuters . 

Em 17 de fevereiro, 46 ​​casos da nova variante foram confirmados por sequenciamento de genes no Reino Unido, de acordo com documentos do governo . O B.1.125 foi detectado pela primeira vez em amostras de pessoas com COVID-19 na Nigéria em dezembro de 2020, de acordo com o relatório da Universidade de Edimburgo, embora o PHE observe em um post de blog que “investigações estão em andamento para confirmar seu país de origem.” O relatório da Universidade de Edimburgo também observa que, em 17 de fevereiro, a variante foi detectada por sequenciamento genético em 12 casos nos Estados Unidos.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *