A economia está cambaleando. E as gigantes de tecnologia buscam oportunidades

Compartilhe

Enquanto muitas companhias encolhem, Amazone, Apple, Facebook, Google e Microsoft apostam alto para ficarem maiores ainda

  • Mesmo com a economia global se recuperando de uma recessão induzida pela pandemia e dezenas de empresas entrando em falência, as maiores empresas de tecnologia estão preparando as bases para um futuro onde estarão maiores e mais poderosas do que nunca
  • Amazon, Apple, Facebook, Google e Microsoft estão fazendo novas apostas agressivamente, pois a pandemia do coronavírus tornou seus serviços quase essenciais
  • Alguns desses gigantes da tecnologia fizeram pouco segredo de sua intenção de avançar em uma recessão que causou o desemprego de mais de 44 milhões de americanos

(Mike Isaac/NYT News Service) – Enquanto o Facebook se debatia com uma revolta interna em junho e uma série de críticas por sua recusa em agir sobre posts do presidente Donald Trump, a rede social atuava ativamente em outras apostas nos bastidores. No final de uma terça-feira, enquanto as atenções estavam concentradas em como o Facebook poderia lidar com Trump, a empresa do Vale do Silício disse em um breve post no seu blog que havia investido no Gojek, um “super aplicativo” do sudeste da Ásia. O acordo, que deu ao Facebook uma posição de destaque numa região de rápido crescimento, exigiu um investimento de US$ 5,7 bilhões na Reliance Jio, uma gigante das telecomunicações na Índia.

Outros gigantes da tecnologia estão adotando um comportamento semelhante. A Apple comprou pelo menos quatro empresas este ano e lançou um novo iPhone. A Microsoft comprou três empresas de computação em nuvem. A Amazon está negociando a aquisição de uma startup de veículos autônomos, alugou mais aviões para entrega e contratou mais 175 mil pessoas desde março. O Google lançou novos recursos de mensagens e vídeo.

Mesmo com a economia global se recuperando de uma recessão induzida pela pandemia e dezenas de empresas entrando em falência, as maiores empresas de tecnologia – ainda altamente lucrativas e cheias de bilhões de dólares em anos de domínio corporativo – estão preparando as bases para um futuro onde estarão maiores e mais poderosas do que nunca.

As grandes apostas

Amazon, Apple, Facebook, Google e Microsoft estão fazendo novas apostas agressivamente, pois a pandemia do coronavírus tornou seus serviços quase essenciais, com as pessoas recorrendo a elas para fazer compras on-line, ficar entretidas e manter contato com entes queridos. O uso vertiginoso deu a essas empresas um novo combustível para investir à medida que outras indústrias se retraem.

A expansão está se desenrolando à medida que legisladores e reguladores em Washington e na Europa estão soando o alarme sobre a concentração de poder dos gigantes da tecnologia e como isso pode ter prejudicado os concorrentes e levado a outros problemas, como a disseminação da desinformação. Entre 8 e 12 de junho, as autoridades da União Européia estavam preparando acusações de formação de cartel contra a Amazon por usar seu domínio do comércio eletrônico para combater rivais menores, enquanto a Grã-Bretanha iniciou uma investigação sobre a compra da empresa GIF pelo Facebook.

Alguns desses gigantes da tecnologia fizeram pouco segredo de sua intenção de avançar em uma recessão que causou o desemprego de mais de 44 milhões de americanos, com sinais de alerta de que será um período prolongado. “Sempre acreditei que, em tempos de crise econômica, a coisa certa a fazer é continuar investindo na construção do futuro”, disse Mark Zuckerberg, executivo-chefe do Facebook, em uma call para investidores, em fevereiro. “Quando o mundo muda rapidamente, as pessoas têm novas necessidades, e isso significa que há mais coisas novas a serem construídas.”

Ao dobrar o crescimento em um momento de dificuldades econômicas, as maiores empresas de tecnologia mantêm o seu padrão. Em recessões anteriores, aqueles que investiram enquanto a economia estava mais vulnerável muitas vezes emergiram mais fortes. Nos anos 90, a IBM usou uma recessão para se transformar de uma empresa de hardware para uma empresa de software e serviços. Google e Facebook surgiram do colapso das pontocom cerca de 20 anos atrás.

A Apple, cujos iPhones agora dominam o mercado de smartphones, dobrou seu orçamento de pesquisa e desenvolvimento por dois anos durante a crise no início dos anos 2000. Isso levou a empresa, que quase faliu no final dos anos 90, a criar o media player iPod e o iTunes – e, eventualmente, o iPhone, a App Store e uma série de outros produtos de crescimento desenfreado, disse Jenny Chatman, professora da Haas School of Business na Universidade da Califórnia, Berkeley.

Ranjan Roy, especialista em tecnologia, que escreve para o blog The Margins, disse que os gigantes da tecnologia não têm medo de se tornarem mais agressivos agora. “Sem qualquer reação dos reguladores, as grandes empresas de tecnologia sairiam quase inquestionavelmente mais poderosas da pandemia”, disse ele. “Muitas partes adicionais de nossas vidas diárias estão se tornando dependentes de seus produtos, ou elas podem simplesmente comprar ou copiar os serviços que ainda não prestam.”

Ainda assim, as empresas estão assumindo riscos investindo em um período incerto, disse John Paul Rollert, professor da Booth School of Business da Universidade de Chicago. “Dobrar e até triplicar quando o cassino está pegando fogo é uma jogada notável, porque eles podem nem conseguir ganhar suas fichas mais tarde”, disse ele.

Dinheiro de sobra para comprar

Amazon, Apple, Facebook, Google e Microsoft, que recusaram ou não responderam aos pedidos de entrevista, têm muito dinheiro. Combinados, eles somam cerca de US$ 557 bilhões, o que lhes permite manter um ritmo de aquisições e investimentos semelhantes aos do ano passado, quando a economia estava fervilhando. Eles estão entre os principais investidores em pesquisa e desenvolvimento na maior parte da década passada, de acordo com a empresa PwC.

As empresas aumentaram suas atividades desde março, quando começaram os pedidos de isolamento social nos Estados Unidos. Quando a Amazon, o Facebook e outros se adaptaram ao home-office, eles experimentaram um aumento no uso de seus serviços. As mensagens e outros softwares de teleconferência ganharam popularidade. Isso criou oportunidades. A Microsoft, por exemplo, começou a promover o serviço de videoconferência do Teams, que permite que as pessoas conversem online. A Microsoft também contratou três empresas de computação em nuvem nos últimos meses – Affirmed Networks, Metaswitch Networks e Softomotive – para oferecer mais tecnologia às empresas.

O Google também atualizou produtos que as pessoas podem usar para trabalhar em casa. Em abril, ele afirmou que seu serviço de bate-papo por vídeo, o Google Meet, estaria facilmente disponível nas janelas do Gmail e gratuito para qualquer pessoa com uma conta do Google. Ele também disse que começaria a listar gratuitamente seus resultados de pesquisa de compras, em vez de fazer com que os comerciantes pagassem pela exibição de todos os seus produtos nos resultados, para reforçar as pesquisas de comércio eletrônico.

Diversificação para todos os lados

A Amazon ficou inicialmente sobrecarregada com uma onda de pedidos on-line e preocupações de segurança com os funcionários dos seus centros de distribuição. Em resposta, a empresa adicionou mais de 175 mil empregos para acompanhar a demanda. Desde então, a Amazon foi a que mais investiu. Enquanto a aviação praticamente parou na pandemia, a empresa disse neste mês que estava adquirindo 12 Boeing 767 à sua frota de mais de 70 aviões de carga. A empresa de Jeff Bezos também discutiu a compra da Zoox, uma startup de veículos autônomos no valor de US$ 2,7 bilhões, de acordo com uma pessoa com conhecimento das negociações. As discussões foram relatadas anteriormente pelo The Wall Street Journal.

A Apple, com US$ 193 bilhões em dinheiro e dívida, passou por sua própria onda de compras. Este ano, adquiriu o DarkSky, um aplicativo popular para smartphones meteorológicos; NextVR, uma empresa de realidade virtual; Voysis, uma empresa de assistência digital e software de reconhecimento de fala; e Xnor.ai, uma startup de inteligência artificial. A empresa realizará em breve uma conferência de desenvolvedores virtualmente e está gerenciando um aumento na atividade no FaceTime e no iMessage, à medida que as pessoas usam esses serviços para se comunicar na quarentena.

A atividade do Facebook foi a mais pronunciada. Quando o coronavírus varreu os Estados Unidos em março, a rede social foi inundada com pessoas acessando seus aplicativos para usar serviços de bate-papo por voz e vídeo. Zuckerberg disse que o Facebook estava “apenas tentando manter as luzes acesas”. Mas a empresa logo capitalizou o momento. Zuckerberg acelerou a construção de alguns produtos, apresentando o Messenger Rooms, um serviço de chat em grupo, em abril. No mesmo mês, o Facebook disse que estava assumindo uma participação de US$ 5,7 bilhões na Reliance Jio, da Índia. Foi o maior investimento da companhia em uma empresa externa, oferecendo mais acesso a um dos mercados digitais que cresce mais rapidamente no mundo. “Estamos comprometidos em conectar mais pessoas na Índia junto com a Jio”, disse o Facebook sobre o acordo, observando que a Jio colocou mais de 388 milhões de pessoas on-line em menos de quatro anos.

No mês passado, o Facebook comprou a empresa Giphy por cerca de US$ 400 milhões. A Giphy deve ser integrado ao Instagram, o aplicativo de compartilhamento de fotos de propriedade do Facebook. E na semana passada, a rede social investiu milhões na Gojek. Sediada em Jacarta, na Indonésia, a Gojek, que cria aplicativo para pagamentos digitais, transporte e outros serviços, é usada por mais de 170 milhões de pessoas no sudeste da Ásia. O Facebook agora está trabalhando em um novo venture capital, que ajudará a identificar novos aplicativos populares.

Ao conduzir a atividade, Zuckerberg pode estar seguindo uma sugestão de um membro do conselho do Facebook. Em abril, Marc Andreessen escreveu uma postagem no blog intitulada “Está na hora de construir” e disse: “Precisamos exigir mais de nossos líderes políticos, de nossos CEOs, de nossos empreendedores, de nossos investidores”. Menos de duas semanas depois, Zuckerberg disse na call para investidores que estava fazendo exatamente isso: construção. Ele disse que sentia “uma responsabilidade e um dever de investir” e acrescentou: “Estamos em uma posição privilegiada para poder fazer isso”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *