Tremores de terra aumentam na Islândia, o que pode acontecer?

Compartilhe

Pela segunda vez este ano, a Islândia está passando por um aumento dos tremores. A forte atividade sísmica pode indiciar a possibilidade de ocorrência de uma erupção vulcânica.

O norte da ilha da Islândia está passando, desde o dia 19 de Junho, por um aumento considerável da atividade sísmica. Foram registados mais de 4000 sismos, sendo que pelo menos 3 superaram a magnitude 5.0 na escala de Richter. A região mais populosa a ser afetada até agora é Siglufjörður, a cerca de 400 Km a Nordeste da capital Reykjavik, onde também foram registados milhares de pequenos tremores.

Os tremores mais intensos foram sentidos em toda a ilha e as autoridades locais aconselharam a população a tomar medidas apropriadas em caso de eventos de maior magnitude e intensidade. O monitoramento desenvolvido pelo Centro Meteorológico da Islândia, pelo Instituto de História Natural e pela Guarda Costeira indica que, apesar do aumento da atividade sísmica nos últimos dias, não está iminente um grande terramoto.Os sismos, associados a erupções vulcânicas, podem levar à destruição de infraestruturas, à ocorrência de cheias (…).

Este evento não causou, até agora, danos em estruturas ou vítimas mortais. Contudo, nas áreas mais afetadas (região de Siglufjörður e Ólafsfjörður) foram registadas algumas ocorrências relacionadas com movimentos de vertente e queda de rochas. Devido à forte possibilidade da atividade sísmica se prolongar por mais alguns dias e até mesmo semanas, as autoridades de monitoramento da Islândia (Iceland Met Office) aconselharam a população a evitar áreas isoladas e montanhosas, principalmente no Norte da ilha.

Será a atividade sísmica o prelúdio para algo maior?

Este não é o primeiro período de intensa atividade sísmica neste ano: durante o mês de Abril, foram registrados pelo menos 8000 terremotos, com maior incidência no sul da ilha, numa área mais próxima da capital. Nessa altura, cientistas locais e britânicos acreditavam que podia ocorrer uma erupção vulcânica na península de Reyjkanes ao sul da capital.

Atualmente, a comunidade científica acredita que pode estar na iminência a erupção do vulcão Grimsvotn, no sul da ilha, e que o aumento da atividade sísmica está diretamente relacionada com esse evento. Além disso, foram registados na área elevadas concentrações de dióxido de enxofre, indicador da presença de magma perto da superfície.

A última erupção deste vulcão ocorreu em 2011 e provocou o caos no espaço aéreo das Ilhas Britânicas e do Norte da Europa. Já em 2010, a erupção do vulcão Eyjafjoll resultou em uma imensa nuvem de fumaça e poeira, levando ao cancelamento de mais de 100.000 vôos e afetando mais de 8.000.000 de passageiros.

Assim, é possível prever os efeitos nefastos que estes eventos podem ter na população, nos transportes e no espaço edificado. Os sismos, associados a erupções vulcânicas, podem levar à destruição de infraestruturas, à ocorrência de cheias (pois o magma pode derreter grandes quantidades de gelo que se precipitam na pequena rede hidrográfica) e à perda de vidas humanas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *