Rússia nega relatório de unidade de espionagem paga ao Taliban para atacar forças da OTAN

Compartilhe

O Taliban também nega o relatório do New York Times, que denunciou como uma tentativa de difamar o grupo armado.

A Rússia e o Taleban negaram uma reportagem da mídia dizendo que uma unidade de inteligência militar russa havia oferecido dinheiro a combatentes ligados ao Taliban para matar tropas americanas e outros membros da coalizão da Otan que opera no Afeganistão. 

O relatório do New York Times diz que as autoridades de inteligência dos EUA concluíram há vários meses que a unidade russa havia oferecido secretamente no ano passado recompensas aos combatentes em troca de ataques bem-sucedidos. A informação foi posteriormente relatada de forma independente pelo Washington Post. 

Segundo as autoridades, os combatentes ligados ao Taleban, ou elementos intimamente associados a eles, coletaram pelo menos algum dinheiro dos russos, embora ainda não esteja claro quais ataques estão relacionados ao esquema, segundo o relatório.

A Rússia denunciou no sábado as acusações, com a embaixada russa em Washington, DC chamando-as de “infundadas e anônimas”.

O tweet acrescentou que as alegações “já levaram a ameaças diretas à vida dos funcionários das embaixadas russas em Washington DC e Londres”.

Enquanto isso, o porta-voz do Taliban, Zabihullah Mujahid, negou ao New York Times que o grupo tenha “quaisquer relações com qualquer agência de inteligência” e chamou o relatório de uma tentativa de difamar o grupo armado.

“Esses tipos de acordos com a agência de inteligência russa são infundados – nossos assassinatos e assassinatos-alvo estavam em andamento anos antes, e fizemos isso com nossos próprios recursos”, disse ele. “Isso mudou depois do nosso acordo com os americanos, e suas vidas estão seguras e não os atacamos”.

Em 2019, 20 soldados dos EUA foram mortos no Afeganistão, mas não há relatos de ataques do Taliban às posições dos EUA desde que os dois países chegaram a um acordo em fevereiro que abre caminho para os EUA se retirarem do conflito de quase 20 anos. 

Implicações graves 

Autoridades norte-americanas já haviam vinculado a unidade de inteligência russa em questão a tentativas de assassinato e operações na Europa destinadas a desestabilizar as potências ocidentais, segundo o relatório. 

No entanto, as alegações mais recentes, se verdade, seriam a primeira vez que se provou que a unidade orquestrou ataques às tropas ocidentais, segundo o relatório.

Embora os governos dos EUA e do Afeganistão tenham anteriormente acusado a Rússia de apoiar o Taliban, a alegação representaria uma grande escalada no envolvimento da Rússia durante um período em que o governo Trump lutou para acabar com a presença dos EUA no país. 

O relatório afirma que a determinação das autoridades de inteligência se baseia, pelo menos em parte, em interrogatórios de combatentes afegãos capturados e indivíduos acusados ​​de crimes no país.

‘Preparando-se’ para a Rússia

As autoridades sem nome também disseram ao jornal que Trump e seu Conselho de Segurança Nacional foram informados sobre a inteligência em março, mas ainda não haviam autorizado nenhuma ação em resposta.

“A história diz que o governo Trump foi informado sobre isso, incluindo o presidente, em março, muitos meses atrás, e que eles debateram várias respostas, incluindo uma queixa diplomática até sanções, mas até agora não agiram”, disse Al. Patty Culhane, da Jazeera, reportando em Maryland

“Os críticos estão apontando que o presidente fez uma coisa, ele convidou Vladimir Putin para a cúpula do G7, agora cancelada, e isso criou seu próprio tipo de controvérsia hoje”, disse ela, referindo-se ao chamado Grupo dos Sete, um grupo econômico. organização composta por potências mundiais das quais a Rússia foi expulsa em 2014. Atualmente, o grupo deve se reunir nos EUA em setembro, após um atraso devido à pandemia de coronavírus. 

Um crítico é o senador e ex-candidato à vice-presidência democrata Tim Kaine, que twittou que Trump estava “acolhendo Putin e convidando-o para o G7, enquanto seu governo sabia que a Rússia estava tentando matar tropas americanas no Afeganistão e atrapalhar as negociações de paz com o Talibã”. “

Autoridades disseram ao Times que não está claro em que nível no governo o plano da unidade de inteligência russa foi autorizado ou qual objetivo maior o plano deveria alcançar.

Com informações Aljazeera

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *