Rússia nega vazamentos de usinas nucleares após níveis de radiação mais altos do que o normal na Europa

Compartilhe

Rússia negou que tenham ocorrido vazamentos em duas de suas usinas nucleares após a detecção de radiação mais alta do que o normal na Noruega, Suécia e Finlândia na primeira quinzena de junho.O Instituto Nacional Holandês de Saúde Pública e Meio Ambiente (RIVM) disse no domingo que níveis “muito baixos” de radioatividade provocada pelo homem foram encontrados nos três países. Não houve impacto no meio ambiente ou na saúde humana, afirmou.”A combinação de radionuclídeos pode ser explicada por uma anomalia nos elementos combustíveis de uma usina nuclear”, sugeriu o RIVM após realizar um cálculo para encontrar a fonte dos radionuclídeos, que são átomos com um núcleo instável.”Os cálculos indicam que os nuclídeos vêm da direção do oeste da Rússia. Determinar uma localização de fonte mais específica não é possível com os limitados dados disponíveis”, disse a RIVM em seu site. Esclareceu que “nenhum país de origem específico pode ser apontado neste momento”.Em resposta, a Rússia declarou que nenhum incidente foi registrado em duas fábricas no oeste do país.”Nenhum incidente foi registrado na usina nuclear de Leningrado e na usina nuclear de Kola, ambas as estações operam normalmente, não houve reclamações sobre a funcionalidade do equipamento”, disse um comunicado divulgado pela mídia estatal RIA Novosti de Rosenergoatom, parte do Empresa estatal de energia nuclear da Rosatom, que supervisiona toda a infraestrutura nuclear da Rússia.

MURMANSK REGION, RUSSIA – FEBRUARY 18, 2019: Inside the engine room of the Kola Nuclear Power Plant on the shore of Lake Imandra, its four reactors of 440MWt in capacity each accounting in general for 60% of energy being supplied to the Murmansk Region. This year begins a major reconstruction project aimed in particular at extending the reactor No.2 service life for another 15 years. Lev Fedoseyev/TASS (Photo by Lev Fedoseyev\TASS via Getty Images)

Dentro da sala de máquinas da usina nuclear de Kola, às margens do lago Imandra. A empresa de energia nuclear da Rússia disse que nenhum incidente foi registrado na usina.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, também negou a ocorrência de qualquer incidente.”Temos um sistema excepcional e moderno de monitoramento da segurança nuclear e, como você viu, não houve alarmes relacionados a situações ameaçadoras ou de emergência”, disse Peskov na segunda-feira. “Não sabemos qual é a fonte desses relatórios de especialistas na Holanda”, acrescentou.Um oficial de comunicações da Autoridade Finlandesa de Radiação e Segurança Nuclear (STUK) disse à CNN na segunda-feira que as autoridades finlandesas não estavam especulando sobre a fonte exata, mas têm indícios de que o produto veio de um reator nuclear.”A STUK entrou em contato com usinas nucleares domésticas. Elas não detectaram substâncias detectadas pela STUK em seu próprio monitoramento de emissões. Portanto, é improvável que as substâncias radioativas detectadas sejam de origem doméstica”, disse a autoridade em comunicado à imprensa.Um representante da Autoridade Sueca de Segurança Radiológica disse à CNN que “níveis muito baixos” de isótopos Cs-134, Cs-137, Ru-103 e Co-60 foram encontrados em dois locais: Visby, entre 8 e 15 de junho, e Estocolmo, entre 22 e 23 de junho. O representante não especulou sobre a origem e localização da fonte do material.Um assessor de imprensa da Autoridade Norueguesa de Radiação e Segurança Nuclear disse à CNN que as verificações foram realizadas há cerca de duas semanas, antes de seus colegas nórdicos. O nível detectado também foi considerado muito baixo e eles estão realizando novas medições nesta semana.

Com informações CNN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *