Irã ameaça retaliação após o que chama de possível ataque cibernético no site nuclear

Compartilhe

 O Irã retaliará qualquer país que realizar ataques cibernéticos em suas instalações nucleares, disse o chefe de defesa civil, depois de um incêndio em sua fábrica de Natanz, que algumas autoridades iranianas disseram ter sido causado por sabotagem cibernética.

O local de enriquecimento de urânio de Natanz, em grande parte subterrâneo, é uma das várias instalações iranianas monitoradas por inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), a agência nuclear da ONU.

O principal órgão de segurança do Irã disse na sexta-feira que a causa do “incidente” no local nuclear havia sido determinada, mas “devido a considerações de segurança”, seria anunciado em um momento conveniente.

A Organização de Energia Atômica do Irã informou inicialmente que um “incidente” ocorreu no início da quinta-feira em Natanz, localizado no deserto na província central de Isfahan.

Mais tarde, publicou a foto de um prédio de tijolos de um andar, com teto e paredes parcialmente queimados. Uma porta pendurada nas dobradiças sugeria que houve uma explosão dentro do prédio.

“Responder a ataques cibernéticos faz parte do poder de defesa do país. Se for comprovado que nosso país foi alvo de um ataque cibernético, responderemos ”, disse o chefe de defesa civil Gholamreza Jalali à TV estatal na noite de quinta-feira.

Um artigo divulgado na quinta-feira pela agência de notícias estatal IRNA abordou o que chamava de possibilidade de sabotagem por inimigos como Israel e Estados Unidos, embora tenha parado de acusar diretamente.

“Até agora, o Irã tentou impedir a intensificação de crises e a formação de condições e situações imprevisíveis”, afirmou a IRNA. “Mas a travessia das linhas vermelhas da República Islâmica do Irã por países hostis, especialmente o regime sionista e os EUA, significa que a estratégia … deve ser revisada.”

SUSPEIÇÕES

Três autoridades iranianas que conversaram com a Reuters sob condição de anonimato disseram acreditar que o incêndio foi o resultado de um ataque cibernético, mas não citaram nenhuma evidência.

Uma das autoridades disse que o ataque tinha como alvo um prédio de montagem de centrífugas, referindo-se às delicadas máquinas cilíndricas que enriquecem o urânio, e disse que os inimigos do Irã haviam praticado atos semelhantes no passado.

Duas das autoridades disseram que Israel poderia estar por trás do incidente de Natanz, mas não ofereceu provas.

Questionado na noite de quinta-feira sobre incidentes recentes relatados em locais estratégicos do Irã, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse a repórteres: “Claramente não podemos entrar nisso”.

O exército de Israel e o escritório de Netanyahu, que supervisiona o serviço de inteligência estrangeiro Mossad, não responderam imediatamente às perguntas da Reuters na sexta-feira.

Em 2010, o vírus de computador Stuxnet, que se acredita ter sido desenvolvido pelos Estados Unidos e Israel, foi descoberto depois que foi usado para atacar as instalações de Natanz.

A AIEA disse na sexta-feira que o local do incêndio não contém materiais nucleares e que nenhum de seus inspetores estava presente no momento.

“A Agência entrou em contato com as autoridades iranianas relevantes para confirmar que não haverá impacto em suas atividades de verificação de salvaguardas, que devem continuar como antes”, disse um comunicado da AIEA, acrescentando que o Irã havia dito que a causa do incêndio era ainda não conhecido.

Natanz é a peça central do programa de enriquecimento do Irã, que Teerã diz ser apenas para fins pacíficos. As agências de inteligência ocidentais e a AIEA acreditam ter um programa coordenado e clandestino de armas nucleares que interrompeu em 2003.

Teerã nega ter procurado armas nucleares, dizendo que seu programa atômico é apenas para fins pacíficos.

O Irã restringiu seu trabalho nuclear em troca da remoção da maioria das sanções globais sob um acordo alcançado com seis potências mundiais em 2015, mas reduziu o cumprimento das restrições do acordo desde que os Estados Unidos se retiraram em 2018.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *