Mongólia entra em quarentena, após surto de peste negra

Compartilhe

A Mongólia colocou em quarentena sua região oeste perto da fronteira com a Rússia depois de identificar dois casos suspeitos de peste negra relacionados ao consumo de carne de marmota, disseram autoridades de saúde na quarta-feira.

Testes de laboratório confirmaram que dois indivíduos não identificados haviam contraído a “peste marmota” na região de Khovd, informou em comunicado o Centro Nacional de Doenças Zoonóticas da Mongólia (NCZD)

. O NCZD disse que mudou para quarentena a capital da província e um dos distritos da região a cerca de 500 quilômetros ao sul das repúblicas siberianas de Tyva e Altai, no sul da Sibéria.

Os veículos estão temporariamente proibidos de entrar na região, informou a agência de notícias estatal TASS, citando a mídia mongol.

O NCZD disse que analisou amostras de 146 pessoas que disseram ter contato com as duas pessoas infectadas e identificou 504 indivíduos em segundo contato. Relatos da mídia sugeriram que as vítimas eram um homem de 27 anos e uma jovem de idade desconhecida.

A Mongólia fechou uma importante passagem de fronteira com a Rússia em maio de 2019, sob suspeita de que possa ter desempenhado um papel em um surto da praga, impedindo vários turistas russos. Um marido e uma esposa morreram depois de comer carne de marmota naquele incidente.

Especialistas dizem que os descendentes diretos da mesma peste bubônica que matou 50 milhões de pessoas no século 14 ainda existem hoje, matando cerca de 2.000 pessoas por ano. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *