A anexação ainda pode acontecer em julho, disse uma fonte dos EUA

Compartilhe

Ministros das Relações Exteriores de França, Alemanha, Egito e Jordânia pediram nesta terça-feira (7) que abandone seus planos de anexar partes da Cisjordânia ocupada.

Concordamos que qualquer anexação dos territórios palestinos ocupados em 1967 seria uma violação do direito internacional e comprometeria os fundamentos do processo de paz”, declararam os ministros após uma videoconferência conjunta.

O governo do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu havia estabelecido o dia 1º de julho como a data em que poderia começar a anexar as colônias judaicas na Cisjordânia e o estratégico Vale do Jordão.

Esta anexação está prevista no plano dos EUA para o Oriente Médio apresentado em janeiro pelo presidente Donald Trump e rejeitado pelos palestinos.

Até agora, Israel não fez nenhum anúncio oficial, o que indicaria apenas que as negociações continuam entre autoridades dos EUA e chefes de segurança israelenses.

“Não reconheceremos nenhuma modificação das fronteiras de 1967 que não tenha sido aceita pelas duas partes no conflito”, disseram os ministros nesta declaração conjunta.

A eventual anexação teria “consequências nas relações com Israel”, alertaram, lembrando o compromisso com uma solução de “dois Estados” baseada no direito internacional.

Nas últimas semanas, a União Europeia (UE) lançou uma campanha diplomática contra este projeto de anexação.

Heiko Maas, chefe da diplomacia alemã, cujo país acaba de assumir a presidência pro tempore (6 meses) do Conselho da UE, viajou a Jerusalém no mês passado, onde expressou “sérias preocupações”.

No entanto, sem o apoio unânime de seus membros, a UE não pode ameaçar Israel impondo sanções econômicas oficiais.

Depois de ocupar a Cisjordânia durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967, Israel começou a estabelecer uma rede de colônias ali, cuja construção continua até hoje, embora tenha sido declarada ilegal sob a lei internacional.

One thought on “A anexação ainda pode acontecer em julho, disse uma fonte dos EUA

  • 6 de junho de 2021 em 20:22
    Permalink

    “Depois de ocupar ” a Cisjordânia após a guerra dos 6 dias em que Israel sofreu invasões, sem aviso prévio, de vários países árabes que pregam seu extermínio como nação , como raça e religião; a Cisjordânia tiveram seus territórios CONQUISTADOS por Israel nesta guerra em que a liga árabe perdera; e obviamente por uma questão mais de segurança para Israel do que por desejar estes territórios; os mesmos precisavam estar ocupados por judeus ; para que os árabes não se utilizassem deles novamente para fazer ataques de surpresa , visando a destruição do Estado soberano de Israel; como fizeram desde a formação do Estado de Israel e seu reconhecimento pela antiga ou verdadeira ONU de outrora…Um forte abraço!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *