Facebook foi amplamente utilizado para espalhar música neonazista revela Aljazeera

Compartilhe

Uma investigação da Al Jazeera identificou cerca de 120 páginas pertencentes a bandas com visões supremacistas e racistas abertamente brancas.

O Facebook removeu várias páginas pertencentes a grupos de música que defendiam a ideologia da supremacia branca após uma investigação da Al Jazeera sobre a prevalência de tais bandas na plataforma de mídia social.

A Unidade de Investigação da Al Jazeera identificou mais de 120 páginas de grupos de heavy metal e gravadoras com ligações diretas à supremacia branca. As páginas conquistaram um total de mais de 800.000 curtidas e algumas estão online há mais de 10 anos.

Depois de enviar cinco exemplos para o Facebook, a plataforma removeu três das páginas de tais bandas, acrescentando que as outras duas ainda estavam em revisão.

As três páginas removidas dos grupos SoldierSS of Evil, Whitelaw e Frangar violaram as políticas do Facebook, de acordo com o gigante da mídia social.

No entanto, outras páginas identificadas pela Al Jazeera ainda estão online, violando as políticas da empresa sobre discurso de ódio.

A notícia chega na mesma semana em que o Facebook lançou uma auditoria interna que criticou fortemente o histórico da empresa em tratar dos direitos civis e impedir o discurso de ódio.

As descobertas também acontecem duas semanas depois que mais de 500 empresas, incluindo Coca-Cola e Starbucks, prometeram não mais anunciar no Facebook, desde que não tomem medidas concretas para bloquear o discurso de ódio em meio a um acerto de contas nacional e internacional sobre o racismo após a morte de George Floyd, um negro desarmado, nas mãos da polícia branca nos Estados Unidos.

Letras e suásticas anti-semitas

A Al Jazeera descobriu que a maioria das páginas está online há anos, com muitos publicando ativamente notícias sobre as próximas apresentações, lançamentos musicais e publicidade de mercadorias, às vezes usando imagens de supremacia branca.

Uma das páginas mais populares pertence ao M8l8th, uma banda de black metal da Ucrânia, cujo nome completo significa Martelo de Hitler. 

Os dois 8s se referem à letra H, a oitava letra do alfabeto. Tanto o 88 quanto o duplo H são taquigrafia comum nos círculos neonazistas para Heil Hitler. 

Em suas canções, M8l8th usa partes de um discurso do propagandista nazista Joseph Goebbels e do Horst Wessel-Lied, o hino oficial do Partido Nazista de 1930 a 1945.

O fundador da banda, um nacional russo chamado Alexey Levkin, está intimamente ligado ao batalhão nacionalista de extrema-direita da Ucrânia Azov , que atualmente está lutando no conflito contínuo da Ucrânia contra separatistas apoiados pela Rússia.

Levkin também é um dos organizadores do Asgardsrei, um festival de música neonazista realizado anualmente na capital da Ucrânia, Kiev. Os participantes do festival foram vistos agitando bandeiras suásticas e fazendo saudações nazistas. 

A Al Jazeera identificou páginas do Facebook pertencentes a bandas que se apresentaram em Asgardsrei, incluindo Goatmoon, uma banda finlandesa de black metal cuja página tem mais de 12.000 curtidas.

Apesar de negar links para a supremacia branca, uma imagem postada na página do Facebook da banda mostra a foto de um dos guitarristas com uma tatuagem borrada. Imagens sem censura indicam que a tatuagem é uma suástica.

Investigação

A imagem borrada à esquerda foi postada na página de Goatmoon no Facebook, a da direita foi tirada no mesmo festival. [Facebook / Instagram]

Capuz da Ku Klux Klan

Outra página popular do Facebook é a da banda francesa de metal Peste Noire, também conhecida como KPN (Kommando Peste Noire), que usa uma versão alterada da organização neo-nazista da White Aryan Resistance como seu logotipo.

Embora Peste Noire afirme ser anarquista nacionalista, não supremacista branco, a banda lançou músicas chamadas Aryan Supremacy e Les Camps de la Mort, que contém a letra – “Antes de deixar esta Terra / Quero sua morte / A puro genocídio de merda / para a vingança final “.

No ano passado, Peste Noire lançou um álbum que mostra o cantor da banda vestindo um capuz da Ku Klux Klan enquanto segura um laço ao redor de outro homem retratado – também o cantor – vestindo blackface.

Investigações - Álbum Peste Noire

A banda francesa Peste Noire tem uma capa de álbum representando um linchamento de um personagem em blackface [Al Jazeera]

“Os supremacistas brancos sempre usaram a música extrema, do punk ao black metal, como uma oportunidade de recrutamento”, disse à Al Jazeera Nick Spooner, que trabalha para o grupo de defesa anti-racista e antifascista HOPE.

“Mas a mídia social mudou completamente a maneira como as pessoas entram em contato com o material da extrema direita”, explicou Spooner. 

“Antes da mídia social, você teria que ir a um show ou conhecer alguém para entrar em contato com esse tipo de banda. A mídia social mudou completamente isso, agora estão a apenas alguns cliques de distância.”

Capa do álbum de Auschwitz

Embora algumas das bandas maiores não publiquem abertamente conteúdo controverso, outras são mais flagrantes.

Volrisch, uma banda do México, usa uma capa de álbum mostrando o portão de entrada do campo de extermínio nazista de Auschwitz-Birkenau como sua foto de capa da página do Facebook. A capa do álbum mostra uma lista de faixas, com músicas chamadas Jewish Plague e New Holocaust claramente visíveis.

Wotanorden, originário dos EUA, celebrou 1.488 curtidas em sua página, com 88 fazendo referência a Heil Hitler e 14 fazendo referência ao chamado slogan “14 palavras”, um grito de guerra comum entre os supremacistas brancos; “Precisamos garantir a existência de nosso povo e um futuro para crianças brancas”.

Existem bandas como Leibstandarte, Kristallnacht e Einsatzgruppen que fazem referência, respectivamente, ao braço militar Waffen-SS do Partido Nazista, ao pogrom da Kristallnacht organizado pelos nazistas e aos esquadrões da morte de Einsatzgruppen responsáveis ​​por matar milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial.

Investigações - Álbum Volrisch

A página de Volrisch no Facebook contém uma imagem mostrando os portões do campo de extermínio de Auschwitz e a música ‘Jewish Plague’ [Al Jazeera]

Tolerância zero

Em resposta a perguntas, um porta-voz do Facebook disse à Al Jazeera que a empresa não permite discursos de ódio em sua plataforma, incluindo conteúdo de supremacia branca.

“Infelizmente, tolerância zero não significa zero incidentes. Removemos três dessas páginas por violar nossas regras e estamos analisando as duas restantes em relação às nossas políticas”, disse o porta-voz. 

“Continuaremos melhorando nossas tecnologias, evoluindo nossas políticas e trabalhando com especialistas para identificar e remover o ódio de nossa plataforma”.

Na quarta-feira, o Facebook lançou uma auditoria de dois anos sobre direitos civis e as tentativas da empresa de conter a disseminação do discurso de ódio na plataforma.

O relatório de 89 páginas ( PDF ) de especialistas em direitos civis criticou fortemente o Facebook, dizendo que ele precisa fazer mais sobre o discurso de ódio anti-muçulmano, anti-judeu e outros.

“Na nossa opinião, a abordagem do Facebook aos direitos civis permanece muito reativa e fragmentada”, concluiu o relatório.

Antes do lançamento do relatório, a diretora de operações do Facebook, Sheryl Sandberg, disse a empresa “se opõe firmemente ao ódio”, reconhecendo que tem problemas com o discurso de ódio e que incorporaria alguns dos conselhos emitidos no relatório.

No ano passado, o Facebook anunciou que não permitiria mais o conteúdo da supremacia branca em sua plataforma, alegando que “esses conceitos estão profundamente vinculados a grupos de ódio organizados e não têm lugar em nossos serviços”.

Com informações Aljazeera

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *