Ibovespa sobe 1,8% com impulso do exterior após dados da Covid-na Flórida; dólar cai a R$ 5,34

Compartilhe

O Ibovespa fechou em alta depois de acelerar fortemente os ganhos na reta final do pregão seguindo o desempenho das bolsas americanas. Os índices Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq subiram entre 0,94% e 2,13% puxados pelas ações da Caterpillar e da Boeing, consideradas empresas mais cíclicas, que se beneficiam da recuperação econômica pós-pandemia.

Esse rali de fim de pregão ganhou ainda mais força depois da Flórida divulgar que o número de casos de coronavírus no estado cresceu menos que a média-móvel de sete dias.

Também impulsionou as compras o resultado forte do JPMorgan Chase. Tanto o lucro quanto a receita do banco superaram as expectativas dos analistas.

Por aqui, o melhor desempenho entre as blue chips da Bolsa foi o das ações da Vale, que seguiram a valorização do minério de ferro na China. A commodity sobe mais de 7% em julho em meio à antecipação da época de pico nas compras. Para saber mais sobre os destaques de ações deste pregão.

O Ibovespa teve alta de 1,77% a 100.440 pontos com volume financeiro negociado de R$ 29,311 bilhões. É a segunda vez desde março em que o índice termina a sessão acima dos 100 mil pontos.

Enquanto isso, o dólar comercial caiu 0,74% a R$ 5,3459 na compra e a R$ 5,3484 na venda em uma sessão bastante volátil na qual chegou a se valorizar mais de 1% ante o real. Já o dólar futuro para agosto tem perdas de 0,88% a R$ 5,359 no after-market.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 caiu quatro pontos-base a 3,01%, o DI para janeiro de 2023 perdeu cinco pontos-base a 4,09% e o DI para janeiro de 2025 recuou sete pontos-base a 5,58%.

Apesar do dia mais positivo, ontem, o presidente da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus, disse que muitos países estão “indo na direção errada”, explicando que o avanço dos casos pode colocar a perder os ganhos em termos de controle da pandemia conquistados com o fechamento das economias.

Entre os indicadores, o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) subiu 1,31% em maio, número bem mais fraco que a mediana das projeções dos economistas compilada no consenso Bloomberg, que apontava para um crescimento de 4,5% no período. O IBC-Br é considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB).

Também no Brasil, o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que o Congresso Nacional terá que discutir um imposto sobre operações financeiras, nos moldes da antiga CPMF, no âmbito da reforma Tributária – que o governo federal ainda não finalizou a sua proposta.

A tensão entre Estados Unidos e China também pesa. Além da guerra comercial e dos atritos causados pela nova lei de segurança de Hong Kong, os americanos passaram a criticar as reivindicações de Pequim em relação ao Mar do Sul da China.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *