China vai ‘revidar’ enquanto Reino Unido suspende acordo de extradição de Hong Kong

Compartilhe

O porta-voz da Embaixada acusa o governo do Reino Unido de “interferência” sobre as medidas que se seguiram à imposição da lei de segurança em Hong Kong.

Na terça-feira, a China acusou o Reino Unido de interferir em seus assuntos internos e disse que iria “revidar” depois que a Grã-Bretanha anunciou que suspenderia seu tratado de extradição com Hong Kong como resultado da decisão da China de impor uma lei de segurança nacional no território.

Um porta-voz sem nome na Embaixada da China em Londres alegou que o Reino Unido havia violado repetidamente o direito internacional e as normas básicas das relações internacionais.

“O Reino Unido suportará as consequências se insistir em seguir o caminho errado”, disse o porta-voz, segundo comunicado divulgado no site da embaixada.

O Reino Unido anunciou na segunda-feira seu plano de suspender seu tratado de extradição com a ex-colônia britânica.

O secretário de Relações Exteriores Dominic Raab disse ao parlamento que a medida seria efetiva imediatamente e que um embargo de armas também seria estendido a Hong Kong.

“Não consideraremos reativar esses acordos, a menos e até que haja salvaguardas claras e robustas, capazes de impedir que a extradição do Reino Unido seja usada indevidamente sob a nova legislação de segurança nacional”, afirmou Raab.

Os Estados Unidos, Austrália e Canadá já suspenderam seus acordos de extradição com o território.

Na terça-feira, o porta-voz da embaixada chinesa acrescentou que “qualquer tentativa” de pressionar a China com relação à lei “enfrentará a forte oposição” de seu povo.

“Tal tentativa está fadada ao fracasso.” 

Em um post de mídia social, Joshua Wong, o líder mais proeminente dos direitos civis e movimento pró-democracia de Hong Kong, disse que “não é a coisa mais sábia” descrever a lei de segurança nacional como parte das políticas domésticas da China.

Fim de uma era

A proibição do Reino Unido é outro prego no caixão do que o então primeiro-ministro David Cameron em 2015 lançou como uma “era de ouro” dos laços com a China, a segunda maior economia do mundo.

Londres ficou consternada com a repressão em Hong Kong, que voltou ao domínio chinês em 1997, o tratamento dos uigures étnicos na região oeste de Xinjiang e a percepção de que a China não disse toda a verdade sobre o surto de coronavírus

“As extradições entre Hong Kong e o Reino Unido são extremamente raras, portanto este é um gesto simbólico, mas muito importante”, disse Nick Vamos, sócio do escritório de advocacia Peters & Peters em Londres.

Raab disse que estenderia um embargo de armas de longa data à China para incluir Hong Kong, o que significa que não há exportações de armas ou munições e a proibição de qualquer equipamento que possa ser usado para a repressão interna, como grilhões e granadas de fumaça.

O presidente dos EUA, Donald Trump, já sinalizou o fim do tratamento econômico preferencial para Hong Kong, e na semana passada o primeiro-ministro britânico Boris Johnson ordenou que os equipamentos da Huawei Technologies da China fossem removidos da rede 5G do país até o final de 2027.

A China – outrora cortejada como a principal fonte de investimento em projetos de infraestrutura britânicos, do nuclear ao ferroviário – acusou a Grã-Bretanha de ceder aos EUA.

A Grã-Bretanha diz que a nova lei de segurança viola as garantias de liberdade, incluindo um judiciário independente, que ajudou a manter Hong Kong um dos centros comerciais e financeiros mais importantes do mundo desde 1997.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *