OMS pede liderança política e empenho comunitário para vencer pandemia

Compartilhe

Para o diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom, duas medidas são primordiais no combate à pandemia do coronavírus: liderança política e empenho comunitário.

Em entrevista do órgão realizada hoje, Tedros afirmou que legislações bem elaboradas em relação à covid-19 podem ganhar apoio da sociedade para que o vírus desacelere.

“Isso fortalece ações para a criação de espaços em locais de trabalhos mais seguros e saudáveis. No entanto, legislações que são mal formuladas podem marginalizar as populações e ampliar a discriminação, minimizando esforços para colocarmos fim à pandemia”, disse.

“Além de proporcionar informações seguras para as pessoas sobre proteção, a melhor forma de reduzir a transmissão é envolvendo os indivíduos para poder gerirem seus próprios riscos e tomar decisões baseadas em evidências. A pandemia perturbou a vida de bilhões de pessoas, que ficaram ou estão em casa durante meses. É compreensível que as pessoas queiram retomar suas vidas, porem não voltaremos ao antigo normal”, prosseguiu o diretor-geral.

Michael Ryan, diretor-executivo do Programa de Emergências em Saúde da OMS, citou que cumprir legislações que obrigam quarentenas é um “ato de contribuição com a sociedade”.

“Quando estamos infectados, devemos ser solidários e não contaminar os outros. Seria melhor se tivéssemos mais pessoas dispostas a isolar-se em prol da comunidade, mas há situações em que isso não acontece. Então, alguns governos criam legislações que podem obrigar o cidadão a isolar-se”, falou Ryan, citando que os governos devem adotar medidas de apoio à sociedade nestes casos e refutando qualquer tipo de coerção.

Situação em EUA, Brasil e Índia

Ao ser questionado sobre possíveis recursos da OMS para os países mais afetados pela pandemia (EUA, Brasil e Índia), Tedros voltou a falar e afirmou que os três têm capacidades internas para “virar o jogo”.

“Os países mencionados são democráticos e possuem capacidades internas muito grandes para lidar com a doença. Há vários colaboradores na linha de frente. Grandes países podem ter grandes problemas por sua natureza, pois são populosos e complexos. Existem diferenças de opinião e distintas posições entre governos federais e regionais, é o preço da democracia neste contexto”, falou.

“Sempre estaremos prontos para dar conselhos e ajudar qualquer um dos nossos estados-membros, independente de suas situações. Eles vão conseguir virar o jogo por suas capacidades científicas.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *