Relação política de quatro décadas de Beltrame com Terra acabou em ruptura

Compartilhe

A longa carreira de Alberto Beltrame em cargos estratégicos na área da saúde tem suporte nas suas relações partidárias, especialmente com o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS). Amigos de quatro décadas, são correligionários e colegas de profissão. O ápice do relacionamento político ocorreu no final do governo Michel Temer. Ao se afastar do Ministério do Desenvolvimento Social, Terra colocou Beltrame no seu lugar, como ministro, em 2018.

Os dois se conhecem desde os anos 1970 porque tinham parentes em comum na região de Santa Rosa. Quando Beltrame se graduou em Medicina, Terra já era clínico geral e bem mais antigo, formado em 1974. Os unia o repúdio à ditadura que vigorava no Brasil desde 1964 e a ideia de trazer para o país algumas políticas de saúde, como as que vigoravam em Cuba.

No início da década de 1980, Terra decidiu fazer política institucional, pelo MDB. Beltrame fazia residência em pediatria no Hospital de Clínicas. Foi lá que conheceu João Gabbardo dos Reis, outro pediatra. Os três formariam uma amizade que os uniu na luta contra o regime militar, na simpatia pelo MDB e no sonho de reformular a política de saúde do país. 

Beltrame é de uma família tradicional de Santa Rosa. Ele e os colegas médicos tiveram a ideia de fazer algum trabalho na prefeitura naquela região próxima à fronteira com a Argentina. Afinal, uma das principais ruas daquela cidade, a mais importante do noroeste do RS, leva o nome do pai de Beltrame, Etore Alberto, que foi vereador e presidente da Câmara Municipal por duas vezes. Ele e os irmãos tinham uma rede de lojas de ferragens que chegou a ter cem filiais. Mesmo após se retirarem desse tipo de negócio, os Beltrame permaneceram com vários imóveis em Santa Rosa.

Terra não conseguiu se eleger prefeito de Santa Rosa em 1988, apesar da intensa atividade política e da influência de Beltrame junto aos conterrâneos. Como Terra já era concursado no Inamps (atual INSS), voltou para Porto Alegre, sua cidade natal, onde foi nomeado superintendente do Inamps no RS. Levou para a Capital Beltrame, como seu chefe de gabinete.

Terra se elegeu prefeito de Santa Rosa em 1992, passo decisivo de uma carreira que o levaria a ser deputado federal e ministro, várias vezes, sempre pelo MDB. Beltrame preferiu os bastidores, sendo convidado para cargos gerenciais. Atuou no Instituto de Previdência do Estado (IPE) e em duas funções fora da área de saúde: presidiu a Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social e foi diretor do Trabalho na Secretaria Estadual do Trabalho, Cidadania e Assistência Social (1996 e 1997).

— Beltrame é um raro exemplo de capacidade articulatória acima dos partidos. Basta ver a atuação dele no Conass. Sabe tudo de saúde e conseguiu direcionar sua expertise pelas diferentes tribos ideológicas. Atuou no governo Simon, no meu governo, no governo Yeda, no governo FHC, no governo Lula e no governo Temer. É de uma turma que inscreveu seu nome na saúde pública no Brasil — elogia o ex-governador Antônio Britto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *