Após redução de ocupação de leitos, BH amanhece na expectativa para anúncio de Kalil sobre retomada de comércio

Compartilhe

Prefeito marcou entrevista coletiva nesta terça. A taxa de ocupação de leitos de UTI, que se manteve acima dos 90% na última semana, caiu para 83% nesta segunda. Este é um dos indicadores levados em conta para decisão.

Belo Horizonte amanheceu, nesta terça-feira (4), na expectativa para o possível início da primeira fase do novo protocolo de flexibilização do isolamento social, divulgado pela prefeitura na última semana. Sem antecipar detalhes, o prefeito Alexandre Kalil (PSD) programou uma entrevista coletiva para 14h. Se ele decidir pela retomada do comércio na capital, neste primeiro momento, lojas de shoppings e de rua vão poder abrir.

A expectativa de flexibilização do isolamento social ganhou força depois que a taxa de ocupação de leitos na capital caiu de 91%, na última semana, para 83,7%, nesta segunda.

Os novos protocolos e novas fases para reabertura do comércio, incluindo setores que ainda não tinham sido contemplados, foram apresentados na última sexta-feira (31), em entrevista coletiva sem a presença do prefeito. Quem explicou os detalhes foram o secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, André Reis, a secretária municipal de Política Urbana, Maria Caldas, e o secretário de Saúde, Jackson Machado.

Entre as principais novidades estão a abertura de shoppings centers logo na fase 1 e de bares e restaurantes, com algumas restrições, já a partir da fase 2. As fases poderão avançar de 15 em 15 dias, de acordo com os indicadores que são monitorados diariamente.

Três indicadores principais são monitorados pela administração municipal para decidir se novas atividades podem voltar a funcionar na cidade ou não. Eles são divulgados semanalmente, às sextas-feiras, em um boletim de monitoramento. São eles: taxa de transmissão do coronavírus (Rt), taxa de ocupação de leitos de UTI por pacientes com Covid-19 e taxa de ocupação de leitos de enfermaria por pacientes com a doença.

Ocupação de leitos de UTI ainda coloca BH em nível de alerta. — Foto: Reprodução

O critério adotado pela prefeitura prevê que pelo menos dois indicadores estejam em alerta amarelo e um no alerta verde. No último boletim de monitoramento, somente a taxa de transmissão, o RT, estava em alerta verde, em 0,89. A taxa de ocupação de leitos de enfermaria estava em amarelo, com 68%. E a de UTI estava em vermelho e permanece no mesmo alerta, apesar da redução. Para atingir o patamar ideal para a reabertura, deveria estar abaixo de 70%.

Esses indicadores servem para balizar a decisão do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 da prefeitura, mas cabe aos membros desse comitê a decisão.

Segundo a prefeitura, se o comitê vir que há condições de avançar de fase, eles vão convocar entrevista coletiva e publicar decreto, independentemente do dia da semana. Ou seja, se virem que há condições para abrir mais atividades numa segunda-feira, isso pode ser decretado para acontecer já a partir de segunda-feira.

Veja as atividades liberadas em cada fase:

Atividades que poderão voltar a funcionar em cada fase, segundo protocolo da Prefeitura de BH. — Foto: Reprodução

Veja as condições de reabertura em cada fase:

FASE 1

  • Funcionamento de estabelecimentos de rua, centros de comércio e galerias de lojas: terça a sexta, de 11h a 19h
  • Funcionamento de shopping centers: terça a sexta, de 12h a 20h
  • Praças de alimentação: somente delivery ou retirada, sem consumo no local

FASE 2

  • Funcionamento de bares, restaurantes e lanchonetes: segunda a quinta para horário de almoço (11h às 15h), sem venda de bebidas alcoólicas; sexta, entre 11h e 22h, com venda de bebidas alcoólicas a partir das 17h; sábado e domingo até as 22h; sem restrições para delivery e retirada
  • Funcionamento de praças de alimentação em shopping centers: terça a quinta, das 11h às 17h. Sexta até as 20h, com venda de bebidas alcoólicas a partir das 17h. Sem restrições para delivery e retirada

A fase 3 não teve horários e condições estabelecidos ainda.

As seguintes atividades ainda não estão contempladas em nenhuma das fases e seguem em estudo de quando seriam mais seguras para voltarem:

  • Casas de shows e espetáculos de qualquer natureza;
  • Boates, danceterias, salões de dança;
  • Casas de festas e eventos;
  • Cinemas e teatros;
  • Clubes de serviço;
  • Parques de diversão e parques temáticos;
  • Feiras livres;
  • Autorizações para eventos em propriedades e logradouros públicos;
  • Autorizações de feiras em propriedade;
  • Autorizações para atividades de circos e parques de diversões;
  • Escolas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *