Pesquisa: Maioria dos eleitores americanos apoiam votar por correio contrariando Trump

Compartilhe

Os eleitores discordam do presidente Donald Trump sobre votar por correio e desconsideram sua sugestão de que a eleição seja adiada.

A maioria dos eleitores aprova a votação por correio antes de uma eleição presidencial atormentada por preocupações com coronavírus, e uma maioria esmagadora concorda que o concurso deve prosseguir conforme programado em 3 de novembro, de acordo com a última pesquisa da POLITICO / Morning Consult.

A pesquisa, divulgada quarta-feira, mostra 58% dos entrevistados dizendo que os EUA “deveriam permitir que todos os eleitores votassem pelo correio nas eleições deste ano” para ajudar a retardar a propagação da doença altamente contagiosa, que os especialistas em saúde pública alertam que podem colocar em risco os locais de votação física.

Há uma divisão partidária substancial entre esses resultados, impulsionada pelos frequentes ataques do presidente Donald Trump à votação por correspondência. Entre os democratas, 81% eram a favor de permitir que todos votassem pelo correio, e 57% dos independentes também. Apenas 33% dos republicanos concordaram.

Trinta e um por cento do total de entrevistados disseram que os EUA “não deveriam permitir que todos os eleitores votassem pelo correio nas eleições deste ano porque isso prejudica a segurança das eleições”, ecoando os argumentos de Trump. Essa visão foi mais forte entre os republicanos (57%) e diminuiu entre independentes (27%) e democratas (10%).

Nos últimos meses, Trump afirmou repetidamente, sem evidências, que os esforços dos estados para expandir a votação por correspondência resultariam em fraude generalizada nos eleitores – sugerindo até semana passada que a eleição deveria ser adiada “até que as pessoas possam votar de maneira adequada, segura e protegida”.

A pesquisa de quarta-feira, no entanto, mostra oposição significativa à proposta do presidente, mesmo que os eleitores permaneçam divididos sobre o assunto de votação pessoal e por correspondência.

Apenas 7% dos entrevistados disseram que a eleição “deve ser adiada até que os americanos possam votar pessoalmente em seu local de votação quando a pandemia de coronavírus não for mais uma emergência de saúde pública”.

Por outro lado, 86% dos entrevistados disseram que a eleição deve ocorrer dentro do prazo, mesmo que o Covid-19 ainda represente uma ameaça – 34% dizendo que a maioria dos americanos deve votar pessoalmente nessas condições e 52% dizendo que a maioria dos americanos deve votar por correio.

Os eleitores não têm uma preferência pessoal clara entre a votação presencial e a correspondência, com 48% a favor das cédulas por correio e 46 a favor da votação em locais de votação física, se ainda houver ordens de distanciamento social em suas comunidades no dia da eleição. Mais de dois terços dos republicanos preferiram a opção em pessoa, enquanto pouco menos de dois terços dos democratas disseram que preferiam votar pelo correio.

Mas, apesar da insistência dos eleitores de que a eleição deve ser realizada conforme o planejado, a pesquisa mostra que os americanos estão pouco à vontade em votar em meio à pandemia de coronavírus.

Um total de 58% dos entrevistados disseram estar preocupados ou muito preocupados com a votação pessoalmente durante a pandemia, enquanto 38% disseram que não estão preocupados ou não estão preocupados.

E um total de 61% dos entrevistados disseram estar preocupados ou muito preocupados com a possibilidade de adulteração das cédulas por correspondência, em oposição ao total de 34% que disseram que não estão preocupados ou não estão preocupados.

Um estudo recente descobriu que votar pelo correio não beneficia uma parte em detrimento de outra, e os casos de fraude eleitoral nos EUA são extremamente raros. Os especialistas reconhecem que há alguns riscos de fraude ligeiramente mais altos associados às cédulas por correio, mas somente quando medidas de segurança adequadas não são adotadas.

A pesquisa POLITICO / Morning Consult foi realizada de 31 de julho a agosto. 2, pesquisando 1.991 eleitores registrados com uma margem de erro amostral de mais ou menos 2 pontos percentuais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *