EUA impõem sanções ao executivo de Hong Kong e outras autoridades chinesas

Compartilhe

O Tesouro dos EUA impôs sanções à diretora-executiva de Hong Kong, Carrie Lam, e a outras 10 autoridades de Hong Kong e da China continental.

As sanções foram usadas para atingir aqueles que comprometem a autonomia de Hong Kong, disse o secretário do Tesouro Steven Mnuchin.

“Os Estados Unidos estão com o povo de Hong Kong”, acrescentou Mnuchin.

A medida ocorre semanas depois que a China impôs uma lei controversa de segurança nacional em Hong Kong, que, segundo os críticos, ameaçou suas liberdades.

As tensões EUA-China continuam a aumentar – apenas algumas horas atrás, o governo Trump passou a proibir transações nos EUA com os proprietários chineses dos aplicativos WeChat e TikTok. .

Entre os sancionados estão o comissário de polícia de Hong Kong e vários secretários políticos.

Entre os sancionados estão o comissário de polícia de Hong Kong e vários secretários políticos.

O Tesouro dos EUA acusou diretamente Lam de “implementar as políticas de supressão da liberdade e dos processos democráticos de Pequim”.

“Em 2019, Lam pressionou por uma atualização dos acordos de extradição de Hong Kong para permitir a extradição para o continente, iniciando uma série de manifestações massivas da oposição em Hong Kong”, acrescentou o Tesouro dos EUA em comunicado.

Os EUA criticaram fortemente a lei de segurança nacional de Hong Kong, com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, chamando-a de “movimento orwelliano” e um ataque “aos direitos e liberdades do povo de Hong Kong”.

Ao anunciar as sanções na sexta-feira, Pompeo disse: “O Partido Comunista Chinês deixou claro que Hong Kong nunca mais desfrutará do alto grau de autonomia que o próprio Pequim prometeu ao povo de Hong Kong e ao Reino Unido por 50 anos.

“O presidente Trump deixou claro que os Estados Unidos tratarão Hong Kong como ‘um país, um sistema’ e tomarão medidas contra indivíduos que esmagaram as liberdades do povo de Hong Kong”.

Os 11 funcionários sancionados terão todas as propriedades apreendidas nos EUA e os ativos financeiros congelados.

Lam já havia zombado da sugestão de sanções, dizendo no mês passado: “Não tenho ativos nos Estados Unidos nem desejo mudar para os Estados Unidos”.

Ela disse aos repórteres que “iria rir” se os EUA a sancionassem.

As sanções mais recentes foram autorizadas por uma ordem executiva que Trump assinou em julho para punir a China por seu papel nos assuntos de Hong Kong.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *