Hidroxicloroquina sendo ‘descartada prematuramente’, dizem os cientistas

Compartilhe

Um ensaio que investiga a droga hidroxicloroquina como um tratamento preventivo contra Covid-19 pode nunca descobrir se é eficaz, dizem os cientistas envolvidos.

A controvérsia em torno da droga – alardeada pelo presidente Trump e objeto de desinformação online – está impedindo a conclusão do julgamento, dizem eles.

É ineficaz em pacientes hospitalizados, mas os investigadores esperam que funcione se administrado mais cedo.

Os hospitais desistiram do julgamento.

‘Politização intensa e publicidade negativa’

O teste conduzido pela Universidade de Oxford tem como objetivo inscrever 40.000 trabalhadores da linha de frente em todo o mundo.

Os investigadores esperam que o estudo randomizado duplo-cego em grande escala mostre se o uso precoce do tratamento evita que o vírus piore.

“Nós sabemos agora que ele não funciona no tratamento de pacientes hospitalizados”, disse o professor Nick White, um dos pesquisadores do estudo.

“Mas ainda é um medicamento que pode ser benéfico na prevenção da Covid-19.”

O órgão regulador de medicamentos do Reino Unido, MHRA, suspendeu os ensaios com hidroxicloroquina, após um artigo agora desacreditado no The Lancet alegando que causava danos.

Os testes foram retomados no final de junho, mas os investigadores dizem que essas preocupações com a segurança e a politização da droga dificultaram a obtenção de participantes.

O professor White diz que os hospitais de confiança desistiram do julgamento.

Por que se tornou controverso

A hidroxicloroquina tem sido usada para tratar a malária há anos.

Mas atualmente não há prova de que funcione contra o coronavírus.

E a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou contra o uso indevido da droga por causa de sérios efeitos colaterais.

O presidente brasileiro segurando um pacote de hidroxicloroquina
Legenda da imagemO presidente brasileiro segurando um pacote de hidroxicloroquina

Figuras de destaque, como Trump e o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, promoveram repetidamente a droga – ambos consumindo-a eles mesmos.

E as empresas de mídia social removeram postagens on-line virais de médicos que rejeitam o consenso científico, elogiando a eficácia do medicamento.

“Não acho que haja um medicamento mais politizado e controverso do que a hidroxicloroquina”, disse o professor White.

estudo UK Recovery abandonou o medicamento após concluir que ele “não salva vidas” de pacientes hospitalizados.

Ainda não há resultados de estudos em larga escala sobre a eficácia do medicamento como profilático.

Os profissionais de saúde foram afetados de forma desproporcional pela Covid-19, e os cientistas de Oxford que lideram o estudo esperam que a droga possa ajudar aqueles que estão na linha de frente da pandemia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *