A rivalidade EUA-China pressagia uma nova ordem mundial

Compartilhe

As relações EUA-China têm sido difíceis desde 2018, quando os dois lados começaram uma guerra tarifária e os EUA começaram a restringir a exportação de semicondutores para a China. E então veio a Covid-19 e, à medida que a situação nos Estados Unidos se deteriorava, a retórica contra a China começou a crescer. Foi oportunista, movido pela esperança de que faria o eleitorado negligenciar o manejo inadequado da pandemia pelo governo Trump.

Há um elemento de pensamento preguiçoso quando as pessoas descrevem a situação entre os EUA e a China como uma nova Guerra Fria, conectando-a assim com a competição binária entre a antiga União Soviética e os Estados Unidos nas décadas de 1950-1980.

As relações EUA-China têm sido difíceis desde 2018, quando os dois lados começaram uma guerra tarifária e os EUA começaram a restringir a exportação de semicondutores para a China. E então veio a Covid-19 e, à medida que a situação nos Estados Unidos se deteriorava, o nível de retórica contra a China começou a subir. Tem sido principalmente oportunista, impulsionado pela esperança de que atacar a China talvez faça o eleitorado dos EUA ignorar o manuseio de má qualidade da pandemia pelo governo Trump. Afinal, considere que, no início deste ano, os EUA e a China haviam concordado em um acordo comercial de Fase I que os tornaria parceiros comerciais ainda maiores do que são.

Mas agora, com a aproximação da eleição, ela se tornou totalmente política com um grupo de falcões anti-China liderados pelo Secretário de Estado Mike Pompeo lançando uma política de terra arrasada que garantirá que a presidência de Biden não seja facilmente capaz de alterar sua trajetória.

Este é um momento de grande oportunidade e risco para a Índia. Uma das características importantes da situação atual é o desejo dos Estados Unidos de romper alguns vínculos tecnológicos importantes com a China. Passos já foram dados nessa direção e podemos antecipar alguns mais nos próximos meses.

Corporações e negócios estão se esforçando para antecipar a situação e estão procurando alternativas. Em virtude de seu tamanho e orientação política, a Índia se encaixa no projeto. A proximidade política com os Estados Unidos é uma vantagem. Mas a tarefa de criar a infraestrutura física e humana para receber esta generosidade é inteiramente nossa e não há sinais de que entendamos isso.

Mas também existe risco. A China é um vizinho poderoso, beligerante ultimamente, com quem compartilhamos uma vasta fronteira terrestre. Além disso, o poderio econômico e marítimo crescente da China a torna um participante em nosso próprio quintal na região do Sul da Ásia e do Oceano Índico. Nesse sentido, nesta ‘nova’ Guerra Fria, a Índia é um estado da linha da frente e todos os perigos que vêm com esse status.

Precisamos entender cuidadosamente o que isso pode acarretar. Por exemplo, embora os EUA encorajem a Índia a desempenhar um papel mais ativo na região da África do Sul-Margem do Oceano Índico (SA-IOR), bem como no oeste do Pacífico, eles podem não querer se envolver nas disputas indianas no Himalaia. Por meio de uma declaração de 27 de outubro de 1962, os Estados Unidos reconheceram a Linha McMahon como a fronteira internacional, mas ainda consideram Jammu, Caxemira e Ladakh como áreas disputadas. Se os EUA gostariam de se envolver militarmente em qualquer situação Ladakh é uma questão discutível.

As analogias históricas são um recurso útil para entender uma situação, mas não são exatas. Portanto, embora a ‘nova Guerra Fria’ seja um recurso útil para compreender a situação, também precisamos ter claro em nossas mentes que não é exatamente uma repetição do passado.

Por um lado, não é uma competição ideológica. Temos a América capitalista assumindo uma forma de capitalismo de estado na China. Também não há alianças militares armadas umas contra as outras em escala global. A China hospeda um grande número de indústrias americanas, possui uma parte substancial de sua dívida e, por sua vez, os EUA hospedam centenas de milhares de estudantes chineses.

Em termos de poder militar, os EUA estão muito à frente da China, que não possui o tipo de sistema de alianças que os EUA possuem. A China tem capacidade militar substancial, que está crescendo, mas é essencialmente uma capacidade que só pode ser aplicada em suas fronteiras. Então, sim, militarmente, precisamos ter cuidado com os dentes da China ao longo da fronteira do Himalaia e do Pacífico ocidental, mas isso é tudo. E sejamos claros sobre uma coisa, comunista ou capitalista, autoritária ou democrática, a China se comportaria da mesma maneira. Como qualquer potência, seria movido por sua percepção dos interesses nacionais, não pela ideologia. A afirmação de Pompeo de que a luta é entre o mundo livre e a ‘nova tirania’ dificilmente pode ressoar em lugares como o Brasil e a Índia, onde a noção de liberdades está cada vez mais estreita.

Na verdade, estamos em uma era inteiramente nova, para onde as velhas regras e blocos que governavam a ordem mundial se foram. Eles já estavam se desfazendo antes da Covid, o processo agora foi acelerado

Por uma questão de paz e estabilidade, de que todos precisam, precisamos reconstituí-la. Quer se trate de controle de armas, medidas de construção de confiança (CBMs), tratados de segurança, regimes comerciais, todos eles se desgastaram. Além disso, o país que desempenhou um papel desproporcional em criá-los e sustentá-los sinalizou que não está mais interessado em assumir o peso da hegemonia.

O desafio é, portanto, criar uma ordem mundial sucessora com novas regras do jogo. A experiência nos diz que não serão simplesmente regimes multilaterais; agora há espaço para alianças plurilaterais destinadas a proporcionar segurança e benefícios econômicos. E sim, a Covid nos ensinou que precisamos incorporar redundância ao sistema para que ele não se desintegre como quase aconteceu em fevereiro deste ano.

Nesse processo, um conjunto de problemas e soluções pode exigir um tipo de coalizão, outro conjunto completamente diferente. A luta maniqueísta de Pompeo não tem lugar em um mundo que precisa de mais, ao invés de menos, cooperação e colaboração. Essa foi, se você se lembra, a primeira lição da velha Guerra Fria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *