Pompeo diz que suspender embargo ao Irã é ‘loucura’ e vai fazer o possível para que isso não ocorra

Compartilhe

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, prometeu fazer tudo o que estiver ao seu alcance para garantir que o embargo internacional de armas contra o Irã seja estendido.

“Não faz sentido permitir que o maior patrocinador estatal do terrorismo do mundo compre e venda sistemas de armas“, justificou Pompeo nesta sexta-feira (14) durante entrevista coletiva em Viena, Áustria. “Quero dizer, isso é loucura.”

“Faremos tudo o que pudermos dentro do nosso conjunto de ferramentas diplomáticas para garantir que o embargo de armas não expire. A votação será nas próximas horas e esperamos ser bem-sucedidos. Quando virmos os resultados, tomaremos a decisão sobre como seguir em frente. Temos sido inequívocos quanto ao fato de não termos intenção de permitir a expiração deste embargo de armas. Absolutamente nenhum”, garantiu Pompeo.

A votação

Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) vota desde a noite de 13 de agosto uma resolução dos EUA que estenderia indefinidamente o embargo de armas da ONU ao Irã. Os resultados devem ser anunciados ainda nesta sexta-feira (14), devido ao procedimento de votação mais demorado por causa da pandemia de COVID-19.

Membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas convocam uma reunião sobre o Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares na sede das Nações Unidas, 26 de fevereiro de 2020

© AP PHOTO / BEBETO MATTHEWSReunião do Conselho de Segurança da ONU em Nova York

A medida está enfrentando forte oposição da Rússia e da China e é provável que a resolução não obtenha o mínimo de nove votos favoráveis no Conselho de Segurança de 15 membros, o que levaria Moscou e Pequim a usar seus vetos.

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, criticou Washington pela proposta de estender o embargo, argumentando que os EUA estão “tão desesperados para mostrar apoio à sua luta para estender ilegalmente as restrições de armas ao Irã que se apega à posição pessoal do SG [secretário-geral] do GCC [Conselho de Cooperação do Golfo] – obtido através da coerção – como consenso regional”.

​Os EUA estão tão desesperados para mostrar apoio à sua luta para estender ilegalmente as restrições de armas ao Irã que se apegam à posição pessoal do SG [secretário-geral] do GCC [Conselho de Cooperação do Golfo] – obtido através da coerção – como consenso regional. Todos sabiam que a maioria na região – mesmo no GCC – subscreve isso. Aqui está a prova:

O embargo de armas da ONU ao Irã está em vigor desde 2007 e deve expirar em dois meses sob os termos do acordo nuclear, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *