Trump ameaça ‘retroceder’ das sanções da ONU contra o Irã

Compartilhe

O presidente dos EUA também lança dúvidas de que participará do apelo da Rússia por uma cúpula de líderes mundiais para acalmar as tensões iranianas.

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que pretende agir na próxima semana para desencadear um “retrocesso” das sanções internacionais contra o Irã nas Nações Unidas, apesar de abandonar o acordo há dois anos.

Trump fez o anúncio mesmo quando rejeitou o pedido do presidente russo, Vladimir Putin, de uma cúpula de líderes mundiais para discutir o aumento das tensões no Irã, dizendo que ele provavelmente não participaria.

“Faremos um snapback”, disse Trump a repórteres no sábado, um dia depois que o Conselho de Segurança da ONU rejeitou a oferta dos EUA de estender o embargo de armas da ONU ao Irã.

“Você vai assistir na próxima semana.”

Os Estados Unidos ameaçaram provocar o retorno de todas as sanções da ONU ao Irã usando uma cláusula de um acordo nuclear de 2015 entre o Irã e as potências mundiais, conhecido como snapback, embora Trump tenha abandonado o acordo em 2018.

Diplomatas disseram que os EUA enfrentariam uma batalha difícil e complicada em qualquer movimento desse tipo.

Em uma postagem na mídia social, Jarrett Blanc, um ex-funcionário do Departamento de Estado dos EUA envolvido com o acordo nuclear com o Irã, alertou sobre as consequências da decisão de Trump.

“O custo será uma perda devastadora da autoridade do CSNU que prejudicará o papel dos EUA no mundo em um futuro previsível – mas a administração Trump manifestamente não está muito preocupada com os danos causados ​​ao país, em vez de sua própria ambição”, escreveu ele .

‘Humilhação’ dos EUA

Os Estados Unidos perderam sua oferta na sexta-feira para estender o embargo de armas da ONU depois que Putin propôs uma cúpula de líderes mundiais para evitar o “confronto” sobre a ameaça americana de “snapback”.

“Provavelmente não”, disse Trump quando questionado se participaria da cúpula apoiada por Putin.

Na votação do Conselho de Segurança, Rússia e China se opuseram à extensão da proibição de armas, que deve expirar em outubro.

Onze membros se abstiveram, incluindo França, Alemanha e Reino Unido, enquanto os Estados Unidos e a República Dominicana foram os únicos votos “sim”.

O presidente iraniano, Hassan Rouhani, disse no sábado que os EUA sofreram uma derrota humilhante no Conselho de Segurança.

“Não me lembro dos Estados Unidos preparando uma resolução durante meses para desferir um golpe na República Islâmica do Irã, e ela obteve apenas um voto”, disse Rouhani em um discurso transmitido pela televisão.

“Mas o grande sucesso foi que os Estados Unidos foram derrotados nessa conspiração com humilhação.”

“É um erro grave; lamentamos isso”, disse o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, no sábado, sobre a votação do Conselho de Segurança em entrevista coletiva durante uma visita à Polônia.

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Gabi Ashkenazi, disse que a decisão do Conselho de Segurança de não estender o embargo de armas ao Irã levaria a uma maior instabilidade no Oriente Médio.

“O regime extremista do Irã não financia apenas o terrorismo: ele participa ativamente do terrorismo por meio de suas ramificações ao redor do mundo e o usa como ferramenta política. Esse comportamento representa um perigo para a estabilidade regional e internacional”, disse Ashkenazi em um declaração no sábado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *