Cruzeiro joga mal e perde por 1 a 0 para a Chape na Série B

Compartilhe

O time catarinense chegou ao grupo do acesso da competição com o triunfo, enquanto os mineiros não conseguiram se impor jogando em casa

O Cruzeiro sofreu sua primeira derrota no Brasileiro da Série B de 2020. O revés foi para a Chapecoense, gol de Anselmo Ramon, cumprindo a famosa lei do ex, já que foi revelado pelo time mineiro para o futebol. O jogo foi nesta quinta-feira, 20 de agosto, às 21h, no Mineirão.

A partida foi de muita vontade e força física, mas sem grandes lances, sendo pouco vistosa como bom futebol para quem acompanhou o duelo entre duas equipes que figuravam na Série A em 2019.

A Raposa teve muitas dificuldades em criar jogadas ofensivas. Mesmo com um bom volume de jogo e pressão em cima da Chape, que fazia boa marcação, o Cruzeiro não conseguia construir ataques, com seus homens de criação com rendimento abaixo em relação aos últimos jogos.

O resultado colocou a equipe mineira na 11ª posição, com três pontos, fruto da perda de seis pontos na FIFA. A Chape subiu para a quarta colocação, entrando no G4 da Série B com sete pontos depois de quatro rodadas.

Noite de pouca inspiração

Régis, Marcelo Moreno, Maurício e Stênio, que iniciaram o duelo diante dos catarinenses, não estiveram em uma noite feliz, conseguindo pouco perigo para o gol de João Ricardo, que já disputou vários clássicos contra a Raposa quando defendia o América-MG.

Enderson Moreira tentou mexer na estrutura da equipe com as entradas de Henrique, reestreando pelo time celeste, Patrick Brey, que merece uma sequência na lateral-esquerda no lugar de Giovanni. Arthur Caike fez seu primeiro jogo pela Raposa, mas ainda fora de forma, pouco acrescentou. A melhor substituição da noite foi Welinton, no lugar de Stênio.

Maurício sacrificado na ponta

A opção de manter o meia Maurício jogando aberto, como um ponta, não tem surtido efeito e está minando o futebol do jovem atleta cruzeirense, que sempre funcionou melhor centralizado. A ideia de Enderson Moreira de ter Régis como seu homem de articulação está sacrificando o futebol de Maurício, gerando insatisfação do torcedor com o seu desempenho.

Faltou variações táticas na equipe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *