Ciclone extratropical atua na costa do ES e do RJ

Compartilhe

Uma frente fria que passou pelo Sudeste do Brasil, e já está no litoral da Bahia, deixou uma área de baixa pressão atmosférica sobre o mar que se transformou em um ciclone, ainda associado a esta frente fria.

Na tarde desta segunda-feira, 24 de agosto de 2020, esta baixa pressão atmosférica foi considerada como um ciclone extratropical. A análise da Marinha do Brasil mostrou que este sistema estava a 850 km da costa do Rio de Janeiro e do Espírito Santo.

Este sistema causa ventos moderados a fortes sobre o mar e também na costa entre o norte do Rio de Janeiro e o sul da Bahia.

Ciclone se forma no mar, ao largo do ES e RJ

Fortes rajadas de vento

A presença deste ciclone no mar estimula a ocorrência de rajadas de ventos nesta terça-feira, 25 de agosto de 2020, que podem variar de 50 a 70 km/h, da direção sul, na faixa litorânea entre o norte do Rio de Janeiro e o sul da Bahia.

As rajadas de vento ainda devem ocorrer na madrugada e manhã da quarta-feira, 26 de agosto, mas a tendência é de enfraquecimento no decorrer da tarde com o afastamento do ciclone.

Ressaca

O vento moderado a forte que sobre constante sobre oceano gera grandes ondas que chegam à costa entre o Rio de Janeiro e o sul da Bahia, que podem causar ressaca nas praias.

Entre terça-feira, 25, até a madrugada de 27 de agosto, quinta-feira, o mar fica agitado na costa entre o Rio de Janeiro e o Sul da Bahia

Há condições para ressaca, com ondas de até 3,0 metros de altura, entre a região litorânea do norte do Rio de Janeiro até o sul da Bahia (região de Caravelas).

Neste período, em alto-mar, as ondas podem chegar aos 5,0 metros de altura, na área oceânica entre norte do Rio de Janeiro o sul da Bahia. até a madrugada do dia 27 de agosto.

Atenção, navegantes! A navegação fica perigosa!

Possibilidade de ciclone subtropical

Há uma possibilidade de que esta baixa pressão atmosférica se desprenda da frente fria e passe a ser um sistema autônomo. Além disso, também há chance de que este ciclone extratropical se transforme em um ciclone subtropical.

Pelo diagrama de previsão de evolução de ciclones do NCEP/GFS (National Centers for Environmental Prediction/Global Forecast System), dos Estados Unidos), este sistema deve passar por um breve período com núcleo quente, passando a ser um ciclone subtropical, mas depois voltar a ser frio, voltando a ser um extratropical

Diagrama de desenvolvimento de ciclone

Mani poderá nascer?

Se esta baixa pressão atmosférica ganhar força suficiente para se transformar em uma tempestade subtropical vai ser batizada e terá um nome. Quem nomeia este tipo de fenômeno especial é a Marinha do Brasil. Segundo a lista de nomes atualizada pela Marinha em 2018, a depois de Kurumi, que se formou em janeiro de 2020, a próxima tempestade subtropical será chamada de Mani.

Em 2018, a Marinha atualizou a lista de nomes para possíveis ciclones que se formem na costa brasileira. A nova lista tem 15 nomes e a anterior tinha 10.

Confira a lista completa com a época e local de formação dos sistemas nomeados até agora.

1 – Arani (tempo furioso) – março 2011 – RJ/ES

2 – Bapo (chocalho) – fevereiro 2015 – SP

3 – Cari (homem branco) – março 2015 – SC

4 – Deni (tribo indígena) – novembro 2016 – RJ

5 – Eçaí (olho pequeno) – dezembro 2016 – SC

6 – Guará (lobo do cerrado) – dezembro 2017 – ES/BA

7 – Iba (ruim) – março 2019 – BA

8 – Jaguar (lobo) – maio 2019 – RJ

9 – Kurumí (menino) – janeiro de 2020 – ES/RJ

10 – Mani (deusa indígena)

11 – Oquira (broto de folhagem)

12 – Potira (flor)

13 – Raoni (grande guerreiro)

14 – Ubá (canoa indígena)

15 – Yakecan (o som do céu)

Com informações Climatempo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *