Conselho da ONU rejeita oferta dos EUA de impor ‘sanções instantâneas’ ao Irã

Compartilhe

O Conselho de Segurança das Nações Unidas rejeitou na terça-feira um pedido dos Estados Unidos para reimpor virtualmente todas as sanções internacionais ao Irã, citando a falta de consenso entre os Estados membros.

O embaixador da Indonésia na ONU, Dian Triansyah Djani, cujo país atualmente ocupa a presidência rotativa do conselho, anunciou a decisão após pedidos da Rússia e da China para revelar os resultados de sua votação com todos os 15 membros do conselho.

“Tendo contatado os membros e recebido cartas de muitos países membros, é claro para mim que há um membro que tem uma posição específica sobre as questões, enquanto há um número significativo de membros que têm pontos de vista contestadores”, disse ele.

“Na minha opinião, não há consenso no conselho”, disse Djani. “Assim, o presidente não está em posição de tomar outras medidas.”

Na semana passada, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, solicitou formalmente que a comunidade internacional restabelecesse as chamadas sanções “snapback” contra o Irã que foram levantadas como parte do acordo nuclear iraniano de 2015. Ele argumentou que as sanções instantâneas são necessárias porque o Irã violou repetidamente o acordo. No entanto, Teerã diz que isso é o resultado da violação do acordo pelos EUA, retirando-se dele e impondo sanções unilaterais severas.

Todos os membros do conselho, exceto a República Dominicana, informaram ao presidente do conselho que a exigência do governo Trump era ilegal porque Trump já havia retirado os EUA do acordo nuclear em 2018 e não é mais um participante do acordo. 

A Missão dos EUA na ONU insistiu em um comunicado na terça-feira que os EUA “estão em bases legais sólidas para iniciar a restauração das sanções”

A Embaixadora dos EUA, Kelly Craft, acusou na terça-feira a ONU de falta de “coragem e clareza moral”.

A missão da ONU do Irã na ONU aplaudiu a decisão.

“O Irã confia que os membros do conselho continuarão impedindo que o país prejudique a ONU, incluindo o Conselho de Segurança”, disse a declaração da missão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *