A política no Rio é refém do crime

Compartilhe

Quem faz campanha de rua no Rio de Janeiro precisa de autorização para entrar nos territórios dominados pelas facções – como o Comando Vermelho – ou pelas milícias – como o Escritório do Crime.

Significa dizer que qualquer política de segurança pública já nasce comprometida com um dos lados do crime organizado, seja qual for o político que chegue ao Legislativo ou Executivo estaduais.

Mas não é só isso. Além da divisão territorial, a economia do estado também está clusterizada em máfias setoriais, que parasitam o poder público, como o transporte público e as organizações sociais que fazem a gestão do sistema de saúde.Leia também:

Da mesma forma, o aparelhamento histórico das estatais estaduais, em simbiose com sindicatos corruptos, engessam qualquer tentativa de reforma estrutural que melhore os serviços públicos.

Como bem escreveu Mario Sabino, trata-se de um processo histórico de degradação institucional. Roberto Campos diria que a única saída para o Rio é o Galeão. Difícil discordar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *