Milhares de pessoas se reúnem em Washington na histórica marcha pelos direitos civis

Compartilhe

Milhares estão reunidos em Washington DC para comemorar a marcha dos direitos civis de 1963 em Washington e em protesto contra a violência policial.

As famílias de negros americanos alvejados ou mortos pela polícia falarão no mesmo local onde Martin Luther King Jr fez seu discurso Eu Tenho um Sonho.

O evento de sexta-feira é chamado Marcha do Compromisso: Tire o Joelho de Nossos Pescoços, uma referência à morte de George Floyd.

Isso segue protestos renovados sobre o tiro policial de Jacob Blake.

Os parentes de Blake, Floyd, Breonna Taylor e Eric Garner devem fazer discursos na marcha.

Eles serão acompanhados pelo líder dos direitos civis Reverendo Al Sharpton e Martin Luther King III – o filho mais velho do Sr. King Jr

O evento surge na sequência de, por vezes, protestos violentos sobre o tiroteio de Blake, que deixou dois mortos em Kenosha, Wisconsin. O Sr. Blake foi baleado e ferido pela polícia no último domingo.

Desde a morte de Floyd em maio, passeatas em apoio ao movimento Black Lives Matter e contra o racismo e a brutalidade policial varreram os Estados Unidos e o mundo.

Manifestantes do Black Lives Matter ficam perto do Lincoln Memorial em 28 de agosto de 2020

Os manifestantes continuam buscando justiça para o Sr. Floyd, que morreu após ser detido por policiais, um dos quais se ajoelhou em seu pescoço, e Breonna Taylor, que foi baleado e morto em sua casa quando os policiais invadiram seu apartamento.

O candidato democrata à vice-presidência, o senador Kamala Harris, se dirigiu virtualmente à manifestação.

Dadas as preocupações da Covid-19, as pessoas foram incentivadas a participar virtualmente se não pudessem comparecer ou em marchas locais ocorrendo em outros estados. Em Washington, haverá controle de temperatura e máscaras obrigatórias junto com distanciamento social.

Além disso, ônibus de estados considerados hotspots do vírus não deveriam passar pela capital.

Também na sexta-feira, ativistas da Convenção Nacional Negra – organizada pelo Movimento para Vidas Negras, uma coalizão de ativistas e organizações negras – adotarão uma plataforma política.

Entre as iniciativas em pauta estão a indenização pela escravidão, a redução do financiamento das polícias e o investimento em saúde, habitação e serviços sociais em comunidades negras, disseram os organizadores. Foi elaborado por centenas de delegados de todo o país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *