Poucas academias reabrem no primeiro dia de retomada do setor em BH

Compartilhe

Primeiro, a retomada do comércio não essencial, em seguida foi a vez dos bares e restaurantes, depois os parques e praças e agora, nesta segunda-feira (31), as academias de Belo Horizonte estão autorizadas a retomar suas atividades, desde que sigam os rígidos protocolos da prefeitura. Neste primeiro dia, mesmo com a liberação do funcionamento, muitos empresários do setor optaram por permanecer de portas fechadas.

Na Região Centro-Sul da capital, no Bairro Lourdes, a D2 Fitness era uma das poucas academias abertas. “Fomos pegos de surpresa, estávamos preparando tudo para uma reabertura no dia 8. Temos duas unidades, uma na Boa Viagem e essa aqui do Lourdes. Na outra, a reabertura hoje não foi possível, já que mudamos de endereço e não conseguimos prepará-la a tempo”, explicou André Toledo, recepcionista da academia.
Além da Região Centro-Sul, a reportagem do Estado de Minas percorreu as ruas da Região Leste e do Hipercentro, mas encontrou os estabelecimentos com as portas fechadas.

Muitos belo-horizontinos, porém, estavam ansiosos pela volta da malhação. É o caso da biomédica Ana Carolina Ferreira, de 28 anos que no primeiro dia de reabertura já estava pegando pesado nos exercícios. Para ela, mais do que condicionamento físico, a liberação desse espaço possibilitou a volta de uma rotina mais saudável e equilibrada em todos os sentidos.

“Acho que o exercício físico é muito bom pra gente, não só fisicamente como mentalmente também, principalmente nessa fase. Ocupamos mais a mente, a gente vem e tem esse gasto calórico, se alimenta melhor, eu acho que é um ciclo”, afirma. 

Para que Carolina pudesse voltar a sua rotina de hábitos saudáveis, a academia precisou se adequar às normas exigidas para conter a disseminação do novo coronavírus. Donos desses estabelecimentos precisaram reorganizar todo o modelo de funcionamento para permitir que a volta ocorresse da maneira mais segura possível, levando em conta a delicadeza do momento atual.
Quem não abre mão de uma vida mais fitness e já estava habituado ao agito das movimentadas academias se surpreendeu ao retomar os treinos no “novo normal”.  Nessa manhã enquanto a reportagem esteve no estabelecimento, apenas quatro pessoas treinavam no local. O número baixo de alunos não era mera coincidência, já que o protocolo da PBH exige que seja disponibilizado um espaço 7m² por pessoa. Além disso, os clientes precisam agendar com antecedência a ida aos espaços. No entanto, não existem restrições de dias e horários para o funcionamento dos estabelecimentos do setor.
“A gente tá tendo uma limpeza periódica com a equipe de manutenção, as pessoas entram aqui e eu tenho que borrifar o álcool na mão delas. Estamos com o sistema de agendamentos, seguindo os protocolos, utilizando viseiras, máscaras, conseguimos separar as máquinas com uma distância de dois metros uma das outras tudo como medida protetiva”, disse o recepcionista da D2. 

Ele conta que muitos clientes entraram em contato por telefone e através das redes sociais para entender melhor como seriam as adaptações. “Temos clientes muito fiéis que já estão ligando e pedindo para poder marcar um horário e também para saber como está funcionando, mas, para hoje, não tivemos tantas marcações, acho que o pessoal está começando a querer voltar, mas ainda tem um certo receio.” 

Ele conta que muitos clientes entraram em contato por telefone e através das redes sociais para entender melhor como seriam as adaptações. “Temos clientes muito fiéis que já estão ligando e pedindo para poder marcar um horário e também para saber como está funcionando, mas, para hoje, não tivemos tantas marcações, acho que o pessoal está começando a querer voltar, mas ainda tem um certo receio.” 

Com Infomações Estado de Minas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *