Trump e Joe Biden enfrentam violência nas ruas devido os protestos de Portland

Compartilhe

O presidente Donald Trump e o rival democrata Joe Biden têm se acusado mutuamente da violência que eclodiu nos protestos em Portland, Oregon.

Um homem ligado a um grupo de direita foi morto no sábado, como em outra parte da cidade uma manifestação pró-Trump colidiu com os manifestantes do Black Lives Matter.

O Sr. Trump chamou os participantes da manifestação de “grandes patriotas” e culpou o prefeito democrata da cidade pela agitação.

Biden, por sua vez, acusou Trump de “torcer pelo caos e pela violência”.

Em um discurso de campanha na cidade de Pittsburgh na segunda-feira, o candidato democrata disse: “Os incêndios estão queimando e temos um presidente que atiça as chamas em vez de lutar contra as chamas. Mas não devemos queimar. Temos que construir”.

Portland tornou-se um centro de manifestações contra a brutalidade policial e o racismo desde que o assassinato policial do afro-americano George Floyd em Minneapolis em 25 de maio desencadeou uma onda de indignação nacional e internacional.

Reportagens da mídia dizem que um homem que se autodenomina antifascista está sendo investigado pelo tiroteio mortal de sábado, enquanto o fundador do grupo de direita Patriot Prayer identificou a vítima como um apoiador.

O Sr. Trump tuitou no domingo o que parecia ser o nome do homem morto junto com a mensagem “Descanse em Paz”.

A polícia não identificou publicamente o suspeito ou a vítima, nem especificou se o tiroteio está diretamente relacionado aos confrontos.

O presidente deve visitar a cidade de Kenosha, em Wisconsin, na terça-feira, em meio à raiva por causa do assassinato do homem negro Jacob Blake pela polícia.

O que Trump e Biden disseram?

Trump culpou o prefeito democrata de Portland, Ted Wheeler, pela agitação.

“Portland nunca se recuperará com um tolo como prefeito”, escreveu ele no Twitter no domingo, sugerindo enviar forças federais para a cidade.

Ele também acusou Biden de “não querer liderar”.

Postagem no Twitter de @realDonaldTrump: ..O povo de Portland, como todas as outras cidades e partes de nosso grande país, deseja Lei e Ordem.  Os prefeitos democratas da esquerda radical, como o idiota que dirige Portland, ou o cara agora em seu porão que não quer liderar ou mesmo falar contra o crime, nunca serão capazes de fazê-lo!

O Sr. Trump continuou na segunda-feira, descrevendo Portland como “uma bagunça” e repetindo pedidos de “LEI e ORDEM”.

“Se esta piada de um prefeito não resolver, vamos entrar e fazer isso por eles”, escreveu ele.

Em outro tweet, ele disse: “Prefeitos da esquerda radical e governadores de cidades onde essa violência louca está ocorrendo perderam o controle de seu ‘Movimento’.”

“Não era para ser assim, mas os Anarquistas e Agitadores se empolgaram e não ouvem mais – até forçaram o Slow Joe a sair do porão”, acrescentou ele em referência ao seu rival democrata.

No domingo, Biden disse que o presidente “pode ​​acreditar que tweetar sobre a lei e a ordem o torna forte – mas seu fracasso em pedir a seus apoiadores que parem de buscar conflitos mostra o quão fraco ele é”.

Ele continuou a argumentação em seu discurso em Pittsburgh na segunda-feira, onde disse que Trump havia “fomentado” a violência nas cidades americanas.

O prefeito Wheeler também respondeu às críticas de Trump, dizendo que o presidente dos Estados Unidos “criou o ódio e a divisão”.

“Eu apreciaria se o presidente nos apoiasse ou ficasse fora do caminho”, acrescentou.

Lei e ordem são o tema principal da candidatura do presidente Trump à reeleição, pintando os democratas e seu candidato como brandos com o crime. Os democratas acusam Trump de tentar alimentar tensões para ganhos políticos.

O que aconteceu no sábado?

A agitação estourou em Portland na noite de sábado, quando uma caravana de centenas de partidários de Trump entrou em confronto com os manifestantes do Black Lives Matter.

A polícia de Portland disse ter “ouvido sons de tiros” e “localizado uma vítima com um ferimento à bala no peito”.

O grupo de direita Patriot Prayer identificou a vítima como Aaron “Jay” Danielson, acrescentando que ele era “um bom amigo e apoiador”. O grupo realizou comícios pró-Trump em Portland e outras cidades dos EUA desde 2016, de acordo com a agência de notícias Associated Press.

O Sr. Trump também compartilhou um tweet nomeando a vítima como Jay Bishop – outro nome que dizem ter sido usado pelo mesmo homem – junto com a mensagem “Descanse em paz Jay!”

O Oregon Live relatou que “equipamento de camuflagem” com “retalhos de uma linha azul fina” foi visto próximo ao corpo – um sinal comum de apoio à polícia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *