Israel realiza ataques aéreos contra base aérea estratégia na Síria

Compartilhe

A defesa aérea síria estaria ativa contra os ataques aéreos que visavam a base, usada pelo Irã

A mídia árabe relatou na noite de quarta-feira que a defesa aérea síria enfrentou um ataque à base aérea estratégica T-4 na província de Homs, na Síria. A base está localizada no deserto, perto da antiga cidade de Palmyra, e é uma importante estação para os aviões e sistemas de armas do regime sírio e do Irã. O Irã supostamente transferiu drones e sistemas de defesa aérea para cá no passado. A mídia estatal síria e a mídia árabe acusaram Israel de inúmeros ataques no local e as redes sociais sírias dizem que este é o segundo ataque aéreo em dois dias no país. O outro, em 1º de setembro, foi perto de Damasco. 

O jornal russo Sputnik disse que fontes descreveram defesas aéreas sendo ativadas sobre o T-4, tentando impedir ataques aéreos. Relatos da mídia social afirmam que os ataques vieram do sul e afirmaram que o caminho da luta veio sobre uma área usada pelos EUA chamada base Tanaf.   

Os ataques aéreos de segunda-feira supostamente mataram cinco membros de milícias pró-iranianas, incluindo três não-sírios. Os rumores até indicavam que um oficial iraniano de alto escalão foi morto. A mídia social disse que pode ter sido o chefe da Força Quds do IRGC, Ismael Ghaani, que substituiu Qasem Soleimani em janeiro. Ghaani já esteve na Síria pelo menos uma vez. Fontes iranianas indicam que ele não foi ferido e que ativistas do regime anti-Síria espalharam esses rumores. Na noite de quarta-feira, fontes do regime disseram à imprensa que apenas perdas materiais ocorreram no T-4. 

Não estava claro como eles sabiam disso poucos minutos após os ataques aéreos e sem tempo à noite para avaliar os danos. A base T-4, também chamada de Tiyas, é parte da principal rede iraniana na Síria que liga a base do Irã em Albukamal Imam Ali, na fronteira com o Iraque, com locais em T-2 e T-3 na estrada para Homs e Damasco. O T-4 é a principal base estratégica nesta parte do país. O Irã o usou com frequência.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *