Equipe de resgate do Chile afirma ter encontrado ‘sinais de vida’ no meio dos escombros na explosão em Beirute

Compartilhe

Uma equipe de resgate chilena disse ter detectado sinais de vida sob os escombros de um prédio que desabou na grande explosão que destruiu Beirute um mês atrás.

Um membro da equipe de resgate do TOPOS CHILE disse à Al Jazeera que, usando uma máquina de varredura, descobriu sinais de pulso e respiração perto do andar térreo do prédio desabado.

Ele disse que provavelmente era de uma criança, acrescentando que a equipe também constatou a presença de pelo menos um corpo.

A explosão de 4 de agosto, que matou 191 pessoas e feriu  mais de 6.000, destruiu grande parte da capital do Líbano.

A equipe chilena estava visitando as ruas da capital como parte de uma missão para proteger prédios antes da fase de reconstrução, quando um de seus cães de busca correu em direção a um prédio e os alertou da presença humana, Akram Nehme, membro da ONG Achrafieh 2020 que ajudou traga TOPOS CHILE para Beirute, disse à Al Jazeera.

Edward Bitar, membro da ONG Live Love Lebanon que trabalha com TOPOS CHILE no Líbano, disse ter detectado 18 ciclos respiratórios por minuto emanando de sob os escombros usando o sensor.

“Estamos tentando manter as esperanças baixas. Se alguém for encontrado, será um milagre”, disse Bitar.

TOPOS CHILE freqüentemente segue para zonas de desastre, incluindo a região de Fukushima no Japão em 2011, quando um reator nuclear explodiu.

Em 2010, ajudou a resgatar um homem no Haiti depois que ele passou 27 dias nos escombros causados ​​por um terremoto.

Procurando vida

Bitar disse que o dono do prédio havia atestado o fato de que não havia ninguém dentro.

Mas um número de pessoas sobre a  cena disseram que tinham forças do cheiro de decomposição que emana do edifício nos dias após a explosão de segurança alertou, acrescentando que as forças de segurança não procurar os escombros.

Os esforços oficiais de busca e resgate foram cancelados há muito tempo.

O esforço liderado por voluntários de quinta-feira começou pela manhã e continuou na manhã de sexta-feira. A equipe removeu os destroços do prédio – pedra por pedra – com a ajuda de alpinistas libaneses, bombeiros e defesa civil. 

A equipe de resgate silenciou repetidamente a grande multidão para permitir que seu sensor investigasse sinais de vida, fazendo com que um silêncio assustador caísse sobre a rua.

Para muitos libaneses, os esforços liderados por voluntários de quinta-feira são apenas o exemplo mais recente de falha do Estado, tanto na preparação para a explosão – causada por 2.750 toneladas de nitrato de amônio armazenadas aleatoriamente no porto de Beirute por quase sete anos – quanto na explosão rescaldo.

Na quinta-feira, um mês após a explosão, o exército libanês anunciou que encontrou 4,35 toneladas de nitrato de amônio perto da entrada do porto de Beirute.

Os militares disseram que especialistas do exército foram chamados para uma inspeção e encontraram o produto químico perigoso em quatro contêineres armazenados perto do porto.

“Honestamente, é por isso que todos nós andamos por aí acreditando que outra coisa vai nos explodir. A incompetência deles é impressionante”, disse o ativista libanês Bissan Fakih em um tweet, referindo-se à classe política do país.

Com informações Aljazeera

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *