Estoque de urânio do Irã mais de 10 vezes o limite estabelecido no acordo nuclear

Compartilhe

O Irã está violando o acordo nuclear de 2015 em resposta à retirada de Washington do acordo em 2018 e à reimposição de sanções contra Teerã

O estoque de urânio de baixo enriquecimento do Irã está mais de dez vezes acima do limite estabelecido pelo acordo com o Irã, de acordo com relatórios trimestrais da Agência Internacional de Energia Atômica divulgados na sexta-feira.Esses documentos mostraram que o Irã havia violado os termos do Plano de Ação Conjunto Conjunto de 2015, conhecido como acordo com o Irã, mas que seu estoque de urânio pouco enriquecido ainda era menor do que era antes do acordo.

O Irã concedeu ao vigilante nuclear da ONU acesso para inspecionar uma das duas instalações nucleares, após um impasse prolongado.Durante a inspeção a AIEA recolheu amostras ambientais, disse um dos dois relatórios obtidos pela Reuters, referindo-se a amostras destinadas a detectar vestígios de material nuclear que possa ter estado presente.

Os inspetores da agência visitarão o outro local “no final de setembro de 2020 em uma data já acordada com o Irã, para coletar amostras ambientais”, disse o relatório.O outro relatório disse que o estoque de urânio pouco enriquecido (LEU) do Irã aumentou 534 kg no trimestre mais recente, quase a mesma quantidade dos três meses anteriores, para 2.105,4 kg.Isso é mais de 10 vezes o limite de 202,8 kg estabelecido pelo acordo nuclear do Irã de 2015 com as grandes potências, que o Irã vem violando em resposta à retirada de Washington do acordo em 2018 e à reimposição de sanções contra Teerã.O estoque, no entanto, permanece muito abaixo das muitas toneladas de LEU que o Irã havia acumulado antes do acordo de 2015.

Teerã está enriquecendo até uma pureza físsil de 4,5%, que embora esteja acima do limite de 3,67% do negócio, ainda está muito aquém do nível de enriquecimento superior de 20% alcançado antes do negócio.O relatório sobre a violação do JCPOA ocorre duas semanas depois de os EUA informarem à ONU que o Irã estava violando o acordo. Os EUA então acionaram um mecanismo no acordo, que restauraria as sanções da ONU contra o Irã levantadas em 2015. de acordo com a Resolução 2231 de Segurança da ONU.O alívio das sanções foi em troca do cumprimento iraniano do acordo, mas qualquer um dos seis signatários do documento tem o direito de restabelecê-los caso Teerã viole o acordo.Até o momento, o Conselho de Segurança da ONU rejeitou a exigência dos EUA de desencadear as sanções, uma medida que marcaria o fim do JCPOA.

O conselho de segurança e os demais signatários do acordo – Rússia, China, França, Grã-Bretanha e Alemanha – querem manter o acordo intacto.Os Estados Unidos estão particularmente preocupados com o fato de o embargo de armas da ONU contra o Irã expirar em 18 de outubro. O retrocesso das sucções da ONU incluiria um embargo de armas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *