Legislador da Índia diz que China sequestrou civis

Compartilhe

As tensões estão aumentando entre Delhi e Pequim em meio a relatos de que tropas chinesas sequestraram cinco civis indianos em um estado fronteiriço na semana passada.

A alegação foi tuitada pela primeira vez em 5 de setembro por um legislador indiano do estado de Arunachal Pradesh.Um ministro do gabinete indiano disse que uma “mensagem direta” foi enviada ao exército chinês.

O Ministério das Relações Exteriores chinês disse que “não tem detalhes a serem divulgados” sobre o incidente.O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, acrescentou que Pequim “nunca reconheceu o chamado ‘Arunachal Pradesh’, que é a região do sul do Tibete na China”.“Ainda não temos detalhes a serem divulgados sobre a questão do Exército indiano enviar uma mensagem ao PLA sobre cinco índios desaparecidos na região”, disse ele.O legislador de Arunachal Pradesh, Tapir Gao, tuitou anteriormente que o suposto sequestro aconteceu em 3 de setembro próximo à fronteira.

 Ele não deu mais detalhes.Quando um jornalista perguntou ao ministro Kiren Rijiju sobre as reportagens no Twitter, ele disse que o exército indiano estava esperando notícias de seus homólogos chineses.

A alegação de sequestro surge na sequência do aumento da tensão entre os vizinhos.A Índia acusou a China de provocar tensões militares na fronteira duas vezes em uma semana de agosto. Ambas as acusações foram negadas por Pequim.O ministro da Defesa indiano, Rajnath Singh, se encontrou com seu homólogo chinês em Moscou em 5 de setembro, mas o que deveria ser um quebra-gelo logo se transformou em uma guerra de palavras.A China disse que o impasse na fronteira é “inteiramente” culpa da Índia e que ela não perderá “um centímetro de seu território”.E a Índia acusou os chineses de “acumular grande número de soldados, comportamento agressivo e tentativas de alterar unilateralmente o status quo”.Embora não tenha havido nova violência, pequenas escaramuças foram relatadas com analistas que descrevem a situação na fronteira como fluida desde junho.Conflitos mortais em junho entre soldados de ambos os lados deixaram 20 soldados indianos mortos. Houve relatos não confirmados de baixas chinesas.Os dois países se acusam regularmente de instigar a luta na região de Ladakh, no Himalaia, ao cruzar a fronteira, uma linha mal demarcada que serpenteia pelo terreno inóspito.

Apesar de várias rodadas de negociações militares e diplomáticas, os vizinhos com armas nucleares não conseguiram resolver suas disputas de fronteira.

O que aconteceu em junho?

Relatos da mídia disseram que as tropas colidiram em cumes a uma altura de quase 4.300 m (14.000 pés) em terreno íngreme, com alguns soldados indianos caindo no rio Galwan em temperaturas abaixo de zero.Segundo informações, pelo menos 76 soldados indianos ficaram feridos, além dos 20 mortos. A China não divulgou nenhuma informação sobre vítimas de seu lado.Os combates ocorreram sem armas de fogo por causa de um acordo de 1996 que proibia armas e explosivos da área.

Por que as tropas se chocaram?

A Linha de Controle Real, como é conhecida a fronteira disputada entre as duas nações, está mal demarcada. A presença de rios, lagos e neves significa que a linha pode mudar.Os soldados de cada lado – representando dois dos maiores exércitos do mundo – ficam cara a cara em muitos pontos. A Índia acusou a China de enviar milhares de soldados ao vale Galwan de Ladakh e diz que a China ocupa 38.000 km² (14.700 milhas²) de seu território. Várias rodadas de negociações nas últimas três décadas não conseguiram resolver as disputas de fronteira.Os dois países lutaram apenas uma guerra até agora, em 1962, quando a Índia sofreu uma derrota humilhante.

Existem várias razões pelas quais as tensões aumentaram recentemente – mas os objetivos estratégicos concorrentes estão na raiz, e ambos os lados culpam um ao outro.A nova estrada da Índia, no que os especialistas dizem ser a área mais remota e vulnerável ao longo da fronteira em Ladakh, pode aumentar a capacidade de Delhi de transportar homens e material rapidamente em caso de conflito.Analistas dizem que a decisão da Índia de aumentar a infraestrutura parece ter enfurecido Pequim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *