Amazônia na mira da Covid-19 e dos incêndios florestais

Compartilhe

É estação seca na Amazônia e, mais uma vez, a floresta está pegando fogo.No ano passado, a maior cidade do Brasil, São Paulo, escureceu por causa da fumaça. Mas enquanto a fumaça viajava para longe, a indignação viajou ainda mais longe com os líderes europeus criticando o presidente Jair Bolsonaro por não fazer o suficiente para proteger a floresta tropical.

O governo brasileiro trouxe neste ano algumas medidas iniciais para conter o número de incêndios. Impôs a proibição de incêndios por 120 dias e desdobrou o exército em áreas gravemente atingidas.Mas, ao mesmo tempo, o presidente Bolsonaro declarou os incêndios uma mentira. Seu vice-presidente também disse à BBC que a floresta não estava queimando.

As estatísticas, é claro, dizem o contrário. De acordo com a agência espacial brasileira INPE, o número de incêndios na Amazônia saltou 28% em julho em relação ao ano anterior. Há a preocupação de que agosto possa apresentar um aumento semelhante.

Desmatamento e incêndios

São Félix do Xingú, no estado do Pará, está no centro do inferno. A área se tornou um hotspot de desmatamento nos últimos anos.

E, como resultado, também se tornou um ponto focal para incêndios, já que muitas vezes terras desmatadas ilegalmente também são queimadas ilegalmente.Durante o dia, a fumaça chega à cidade e o cheiro de fogueira paira no ar. À noite, às vezes você pode ver o céu iluminado por chamas à distância.

Lutando para respirar

Mas os incêndios não estão apenas matando a floresta tropical. Eles também estão sufocando seu povo.No posto de saúde São Félix do Xingú, a equipe médica trabalha de forma incansável. Quando a pandemia atingiu, ela foi transformada em uma clínica exclusiva da Covid.

Os últimos seis meses foram intensos para o Dr. Victorino Perez. Ele é a melhor chance para os residentes da cidade, que caso contrário teriam que viajar oito horas até o leito de terapia intensiva mais próximo.

Ele diz que a situação não está melhorando aqui, ele ainda vê novos casos todos os dias. Mas agora é a temporada de incêndios e a equipe tem um novo problema.“Todos os dias tenho pacientes que retornam com problemas respiratórios que estão piorando por causa da poluição e dos incêndios na área”, diz ele.“Com o vírus, eles tiveram apenas uma tosse seca, uma irritação, uma falta de ar. Quando eles voltam, a situação piora, eles estão tossindo mais e podemos ver que seus pulmões estão mais comprometidos”, explica o Dr. Perez.De acordo com um relatório do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia, Human Rights Watch e do Instituto de Estudos de Políticas de Saúde , mais de 2.000 pessoas foram levadas ao hospital no ano passado por causa de problemas respiratórios relacionados aos incêndios.A preocupação é que este ano, ainda mais pressão será colocada em alguns dos centros de saúde com poucos recursos no país, pois eles lidam com Covid-19 e os incêndios.

Lutando para se recuperar

Eugenia Lima Silva é uma das estatísticas deste ano. Ela foi diagnosticada com Covid-19 em abril, a primeira pessoa em São Félix do Xingú a pegar o vírus.

Mãe de dois filhos e apenas 27 anos, a Sra. Silva não tinha problemas de saúde anteriores, mas ficou três meses sem trabalhar.
“Às vezes fico sem palavras para explicar o quão difícil foi – eu não desejaria isso para ninguém”, diz ela. Por um tempo, ela não conseguia nem abraçar os filhos, pois ficava isolada em casa.
Mas seus problemas não acabaram. “Ainda hoje tenho falta de ar quando o tempo está muito esfumaçado ou poluído como este. Não posso trabalhar tanto quanto quero e não posso ficar do lado de fora no frio, começo a sentir dores nos pulmões, dor no peito “, diz ela.
“É um momento tão difícil que estamos passando, que toda a humanidade está passando. Se as pessoas colocassem as mãos nos corações e pensassem ‘um dia poderia ser eu’, então não começariam incêndios como fazem – eles esperariam que tudo isso passasse para que não afetasse as pessoas aqui. “
Chamada de emergência
Do outro lado da cidade, outro médico da cidade, o Dr. Lucas Antonio Silva, está de plantão. Ele acabou de receber uma ligação de emergência – uma mulher que suspeita que ela tenha Covid-19. Ela mora do outro lado do rio e a única maneira de chegar lá é uma balsa que acabou de sair da margem. A equipe tem que esperar uma hora para que ele volte.

O Dr. Silva, que está na casa dos 20 anos, foi jogado no fundo do poço. No dia seguinte à sua formatura, em março, a Organização Mundial da Saúde declarou uma pandemia. Ele tem trabalhado no Covid-19 desde então.Quando finalmente consegue chegar ao outro lado do rio, é uma curta viagem de carro para chegar a Odeli de Almeida, de 62 anos. Ela tem todos os sintomas associados ao coronavírus e seu filho está atualmente no hospital com Covid-19.A equipe a testa – mas o resultado é negativo.

“Podem ser duas coisas”, disse o Dr. Silva a Almeida. Ele sugere que talvez não tenham se passado dias suficientes para fazer o teste com precisão.Nessas partes da Amazônia, eles só têm acesso a testes rápidos, em vez do teste de esfregaço mais confiável. “Ou talvez você não tivesse Covid-19 e poderia ser um problema pulmonar causado pela poeira, pela fumaça ou por outra coisa.”De qualquer forma, ele continuará a monitorá-la como se ela tivesse Covid-19.Embora as taxas de transmissão mostrem os primeiros sinais de desaceleração em todo o Brasil, o vírus ainda está percorrendo seu caminho pelo interior deste imenso país.Mas os problemas na Amazônia são maiores do que apenas a Covid-19 e não irão embora da noite para o dia – essas comunidades estão na linha de frente, vivendo na mira do vírus e dos incêndios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *