Cientistas estão ‘preocupados’ com os resultados de testes da vacina da Rússia contra o coronavírus

Compartilhe

A carta aberta sinaliza resultados que parecem estar duplicados e pede acesso aos dados subjacentes sobre a primeira vacina COVID-19 a ser aprovada para uso generalizado.

Um grupo de pesquisadores expressou preocupação com os padrões repetitivos de dados em um artigo que descreve os testes clínicos de fase inicial da vacina contra o coronavírus da Rússia – a primeira injeção em todo o mundo a ser aprovada para uso generalizado.

Em uma carta aberta aos autores do estudo, que publicaram os resultados do ensaio 1 este mês no The Lancet , os pesquisadores destacam os valores que parecem estar duplicados e alertam que o artigo apresenta seus resultados apenas como gráficos de caixa, sem fornecer uma análise detalhada do dados nos quais se baseiam. “Embora a pesquisa descrita neste estudo seja potencialmente significativa, a apresentação dos dados levanta várias preocupações que requerem acesso aos dados originais para uma investigação completa”, diz a carta. Até agora, foi assinado por 38 cientistas.

Os testes testaram duas vacinas de vetor viral ligeiramente diferentes – que usam adenovírus geneticamente modificados para produzir proteínas de coronavírus no corpo – em 76 voluntários. Os resultados indicaram que a vacina produziu uma forte resposta imunológica e que os efeitos colaterais foram limitados a efeitos leves e de curto prazo, como irritação no local da injeção ou dores de cabeça, em algumas pessoas. Em agosto, as autoridades russas aprovaram a vacina, chamada Sputnik V, para uso generalizado, e disseram que ela poderia estar disponível para o público em geral em alguns meses.

Essa aprovação acelerada causou consternação entre os pesquisadores , que argumentaram que a decisão de lançar a vacina antes que maiores testes de segurança e eficácia tivessem sido concluídos foi perigosamente apressada.

Possíveis duplicações

A carta aberta foi postada em um blog dirigido pelo biólogo molecular Enrico Bucci, que dirige uma empresa de integridade científica chamada Resis em Samone, Itália. Bucci diz que notou irregularidades no artigo do Lancet logo após sua publicação. Por exemplo, em uma figura em que os autores relatam suas medições de marcadores de um tipo de célula imune no sangue, muitos membros de dois grupos de nove voluntários testados com diferentes formulações da vacina parecem ter os mesmos níveis. “As chances de isso surgir por coincidência são extremamente pequenas”, diz Bucci.

“Ver esses padrões de dados semelhantes entre medições não relacionadas é realmente improvável”, diz Konstantin Andreev, que estuda infecções respiratórias virais na Northwestern University em Evanston, Illinois. “Essas discrepâncias não são menores.” Andreev se preocupou de forma independente com os aspectos do ensaio clínico e assinou a carta aberta logo após sua divulgação.

“Não estamos alegando má conduta científica, mas pedindo esclarecimentos sobre como surgiram esses dados aparentemente semelhantes”, diz Bucci. “Quando lemos relatos de que a Rússia havia começado a injetar a vacina em pessoas fora dos testes clínicos, sentimos que precisávamos falar imediatamente.” Os testes clínicos de fase final da vacina, que envolverão dezenas de milhares de pessoas, começaram no dia 26 de agosto.

Os dados básicos do documento devem ser disponibilizados, diz o epidemiologista Michael Favorov, presidente da DiaPrep Systems, uma empresa de diagnósticos em Atlanta, Geórgia. “Temos muitos dados questionáveis ​​- em termos de apresentação”, diz ele. “Talvez os dados sejam bons – não podemos julgar.” Ele acrescenta que a decisão de publicar os relatórios sem os dados subjacentes parece incomum. Por outro lado, quando estudos clínicos envolvendo uma vacina de coronavírus desenvolvida pela empresa farmacêutica AstraZeneca e pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, foram publicados no mesmo jornal 2 , eles foram acompanhados por uma grande quantidade de dados suplementares que outros pesquisadores conseguiram escrutinar.

O principal autor do jornal russo, Denis Logunov, do Centro Nacional de Pesquisa Gamaleya para Epidemiologia e Microbiologia em Moscou, não respondeu aos pedidos de comentários da equipe de notícias da Nature . Mas ele disse ao meio de comunicação russo Meduza que não pretendia responder à carta aberta. Ele negou que houvesse erros na publicação e afirmou que os níveis de anticorpos medidos eram “exatamente como eram apresentados” nas figuras. Ele acrescentou que está em contato com o Lancet e “está pronto para esclarecer qualquer questão”.

Lancet se recusou a comentar sobre sua política de fornecer dados em apoio aos ensaios clínicos que publica, mas emitiu um comunicado dizendo que “convidou os autores do estudo da vacina russa a responder às questões levantadas na carta aberta por Enrico Bucci ”, E que continuaria a acompanhar de perto a situação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *