Irã: Emirados Árabes, Bahrein serão os ‘únicos responsáveis’ pelas consequências do acordo com Israel

Compartilhe

As declarações do presidente do Irã, Hassan Rouhani, vêm um dia depois que Israel, Emirados Árabes Unidos e Bahrein assinam acordos de normalização intermediados pelos EUA.

O presidente do Irã, Hassan Rouhani, disse que os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein seriam responsáveis ​​por quaisquer “consequências” resultantes da normalização das relações com o arquirrival de Teerã, Israel.

Os comentários de Rouhani vieram um dia depois que o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e os ministros das Relações Exteriores do Bahrein e dos Emirados Árabes Unidos assinaram acordos estabelecendo relações diplomáticas plenas em uma cerimônia na Casa Branca.

Falando em uma reunião de gabinete na quarta-feira, Rouhani disse que Israel está “cometendo mais crimes na Palestina a cada dia”.

“Alguns dos países da região, seus povos são muçulmanos devotos, mas seus governantes não entendem a religião nem [sua] dívida … para com a nação da Palestina, para com seus irmãos que falam sua língua”, disse ele em comentários na televisão.

“Como você poderia estender as mãos para Israel? E então você quer dar-lhes bases na região? Todas as graves consequências que surgiriam disso são sobre você.”

Os comentários de Rouhani foram feitos logo depois que aviões israelenses bombardearam alvos do Hamas na sitiada Faixa de Gaza.

O ataque israelense ocorreu após foguetes disparados de Gaza enquanto os acordos de normalização com os dois estados árabes estavam sendo assinados nos Estados Unidos.

Enquanto isso, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que negócios semelhantes intermediados por Washington são esperados entre Israel e vários outros países árabes, incluindo o rival regional do Irã, a Arábia Saudita.

“Após décadas de divisão e conflito, marcamos o amanhecer de um novo Oriente Médio”, disse Trump.

Os palestinos que buscam um estado independente que inclua a Cisjordânia e Gaza ilegalmente ocupadas veem os acordos de normalização como uma traição à sua causa.

A liderança palestina quer um estado independente baseado nas fronteiras de fato antes da guerra de 1967, na qual Israel ocupou a Cisjordânia e a Faixa de Gaza e anexou Jerusalém Oriental.

Os países árabes há muito pedem a retirada de Israel das terras já ocupadas ilegalmente, uma solução justa para os refugiados palestinos e um acordo que leve ao estabelecimento de um estado palestino viável e independente em troca do estabelecimento de laços com ele.

O Irã já havia alertado o Bahrein que seu acordo o tornava um parceiro dos “crimes” de Israel e acusou os Emirados Árabes Unidos de trair o mundo muçulmano.

Em 2016, Bahrein cortou laços diplomáticos com o Irã e os Emirados Árabes Unidos rebaixaram as relações em meio ao aumento das tensões entre Riad e Teerã.

O Bahrein, governado por sunitas, enfrenta distúrbios de longa data entre sua grande comunidade xiita, que consistentemente atribui ao Irã.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *