WeChat: Juíza bloqueia tentativas dos EUA de proibir downloads de aplicativos chineses

Compartilhe

Um juiz bloqueou uma tentativa do governo dos EUA de proibir o aplicativo chinês de mensagens e pagamentos, WeChat.

A juíza do magistrado dos Estados Unidos, Laurel Beeler, disse que a proibição levantou sérias questões relacionadas à primeira emenda da constituição, garantindo a liberdade de expressão.

O Departamento de Comércio havia anunciado um bar no WeChat aparecendo nas lojas de aplicativos dos EUA a partir de domingo, efetivamente fechando-o.

A administração Trump alegou que ameaça a segurança nacional.

Ele afirma que pode passar dados do usuário ao governo chinês.

Tanto o WeChat quanto a China negaram veementemente a alegação. A Tencent, conglomerado dono do WeChat, já havia descrito a proibição dos EUA como “infeliz”.

A decisão veio logo depois que a TikTok, que também foi mencionada no pedido do Departamento de Comércio, chegou a um acordo com as empresas americanas Oracle e Walmart para permitir que continuem operando.

O que aconteceu no tribunal?

O Departamento de Justiça pediu que a ordem não fosse bloqueada depois que um grupo de usuários do WeChat entrou com uma ação questionando-a.

O departamento argumentou que isso “frustraria e deslocaria a determinação do presidente de como melhor enfrentar as ameaças à segurança nacional”.

No entanto, o juiz Beeler, sentado em San Francisco, observou que “embora a evidência geral sobre a ameaça à segurança nacional relacionada à China (em relação à tecnologia e tecnologia móvel) seja considerável, a evidência específica sobre o WeChat é modesta”.

Por que os EUA querem que os aplicativos sejam banidos?

O secretário do Departamento de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, disse em um comunicado que a decisão de bloquear o aplicativo foi tomada “para combater a coleta maliciosa de dados pessoais de cidadãos americanos pela China”.

O departamento disse que o WeChat coletou “vastas faixas de dados de usuários, incluindo atividade de rede, dados de localização e históricos de navegação e pesquisa”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *