Apple está em uma guerra travada pelo futuro da App Store saiba o que está em jogo

Compartilhe

 A fabricante do popular videogame Fortnite – devem entrar em conflito no tribunal na segunda-feira pela loja de aplicativos da fabricante do iPhone. À primeira vista, a luta de segunda-feira pode não parecer tão, bem, épica. As duas empresas devem debater uma proposta de ordem judicial que pode temporariamente forçar a Apple a trazer o Fortnite de volta para a iOS App Store. A Apple removeu o jogo no mês passado por violar suas políticas depois que a Epic introduziu uma maneira de os usuários contornar o sistema de pagamento no aplicativo da Apple.

Mas os argumentos de segunda-feira vão muito além desses dois gigantes da tecnologia. Eles refletem anos de reclamações de desenvolvedores de aplicativos em todo o mundo, que dizem que o controle rígido da Apple na distribuição de aplicativos iOS sufoca a inovação e resulta em custos excessivamente altos para os consumidores.A Apple e a Epic não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.A audiência estabelece as bases para o que os especialistas dizem que será um caso antitruste marcante contra a Apple – um que poderia ameaçar os lucros da empresa mais valiosa do mundo e remodelar toda a economia digital.Como parte de seu esforço para desafiar o status quo, a Epic também processou o Google, que retirou o Fortnite de sua loja de aplicativos em agosto por motivos semelhantes aos da Apple.

Por que a Apple e a Epic estão no tribunal?

Tudo se resume à forma como a Apple é paga.Quando você faz compras no aplicativo de um aplicativo iOS, a Apple recebe uma redução de 30%, o que a Apple diz ser justificado pelo serviço que oferece. Os contratos da Apple proíbem tentar burlar as regras.No mês passado, a Epic decidiu desafiar a regra. Em uma atualização de software para Fortnite, ele encorajou os jogadores iOS a comprarem a moeda digital do jogo, conhecida como V-Bucks, diretamente da Epic, ao invés do sistema de compra no aplicativo da Apple. Para adoçar o negócio, a Epic ofereceu um desconto para quem comprasse o V-Bucks diretamente.Embora os consumidores possam ter visto isso como um bônus de fidelidade, a Apple viu isso como uma violação grosseira de seu contrato com a Epic e uma tentativa de minar um fluxo de receita importante.Em uma carta à Epic, o advogado da Apple Douglas Vetter escreveu que a Epic deseja “todos os benefícios que a Apple e a App Store oferecem sem ter que pagar um centavo”. Ele acrescentou: “A Apple não pode se curvar a essa demanda irracional”.

A Apple prontamente retirou o Fortnite da App Store e, para completar, revogou o acesso ao Unreal Engine – um software da Epic usado por desenvolvedores de jogos e, cada vez mais, por Hollywood, para criar ambientes e cenas digitais realistas. A tecnologia foi usada na recente série premiada da Disney, The Mandalorian.Isso nos leva aos argumentos de segunda-feira. A Epic pediu uma liminar que impediria a Apple de tomar ações contra a Epic. A Apple é contra a liminar proposta, dizendo que a Epic não estaria nesta situação complicada se não tivesse quebrado voluntariamente seu contrato – um fato que a Epic não nega. (O juiz no caso já concedeu uma ordem de restrição temporária contra a Apple que força a empresa a restaurar o Unreal Engine, mas Fortnite continua banido.)

Por que a Epic quebrou as regras?

O CEO da Epic, Tim Sweeney, deixou claro que acha que a Apple está administrando um monopólio e que uma participação de 30% na receita é muito alta.A batalha entre a Epic e a Apple começou em 30 de junho, quando Sweeney escreveu um e-mail para Tim Cook, Phil Schiller e Craig Federighi fazendo exigências.Sweeney propôs uma forma de aceitar pagamentos de usuários fora das compras dentro do aplicativo da Apple e para a Epic lançar uma loja de aplicativos concorrente dentro da loja de aplicativos da Apple.

Os argumentos de segunda-feira podem determinar se a juíza Yvonne Gonzalez Rogers ordena que a Apple restaure o Fortnite na App Store do iOS enquanto o processo continua. Também pode determinar se a Apple pode tomar outras medidas contra a Epic em meio ao litígio em andamento. Uma resolução final para o caso pode levar anos.Gonzalez Rogers expressou simpatia pelos argumentos da Epic, se não por suas táticas. Embora ela tenha acusado a Epic de vir ao caso sem “mãos limpas”, Gonzalez Rogers recentemente desafiou a Apple a explicar por que não detém o monopólio.”O problema é que, se você tem um iPhone, não pode comprar [aplicativos] de ninguém”, disse ela. “Você não pode. Você está limitado a comprá-lo da Apple.

Não posso comprar do Google. Não posso comprar da Amazon. Não há concorrência. E então a questão é, sem concorrência, onde isso 30% vêm – por que não são 10%, 15%, 20%? “A Apple respondeu que os consumidores têm muitas opções ao escolher uma plataforma de smartphone – iOS ou Android.Ambos os ecossistemas podem ser fortemente afetados pela decisão final no caso, disse Bergmayer.”Isso tem amplas implicações para o comércio, a cultura e a liberdade de expressão individual”, disse ele. “A economia digital moderna foi construída na internet, uma plataforma aberta onde nenhuma empresa pode excluir totalmente ninguém.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *