Trump assina ordem executiva que proíbe a matança de bebês que sobrevivem ao aborto

Compartilhe

Na sexta-feira, o presidente Trump sancionou a lei “Born Alive”, que ordena que o Departamento de Saúde e Serviços Humanos assegure que as instalações financiadas pelo governo federal forneçam cuidados médicos que salvam vidas para crianças que sobrevivem a abortos.

“Todo bebê nascido vivo, não importando as circunstâncias de seu nascimento, tem a mesma dignidade e os mesmos direitos que qualquer outro indivíduo e tem direito às mesmas proteções sob a lei federal”, ordenou a ordem . 

Para muitos, pode parecer absurdo que o direito a cuidados de emergência para recém-nascidos exija legislação federal, mas no ano passado os democratas na legislatura da Virgínia apresentaram um projeto de lei que permitiria o aborto até o nascimento. Em uma entrevista com a WTOP defendendo o projeto de lei, o governador Ralph Northam abordou a possibilidade muito real de que tal aborto resultaria no bebê estar vivo após o aborto.

“A criança nasceria, seria mantida confortável, a criança seria ressuscitada se isso fosse o que a mãe e a família desejassem”, disse Northam. “E então uma discussão ocorreria entre os médicos e a mãe.”

Legislação semelhante também foi aprovada no estado de Nova York.

A Planned Parenthood afirmou que o problema não existe.

“Parece que este governo mais uma vez buscará uma solução para um problema inexistente. Uma ordem executiva como a descrita por Donald Trump só espalharia desinformação, envergonharia as pessoas que praticam abortos e tentaria obter pontos políticos baixos ”, disse Jacqueline Ayers, vice-presidente de relações governamentais e políticas públicas do Planned Parenthood Action Fund, de acordo com o The Hill .

De fato, houve 143 mortes infantis relacionadas ao nascimento vivo após abortos entre 2003 e 2014, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

A ordem executiva vem depois que os democratas da Câmara rejeitaram a tentativa dos republicanos de renovar a legislação que exigiria cuidados médicos para bebês que sobrevivem a abortos.

O ato exige que:

  • Um profissional de saúde que estiver presente deve (1) exercer o mesmo grau de cuidado razoavelmente fornecido a outra criança nascida viva com a mesma idade gestacional e (2) admitir imediatamente a criança em um hospital. O projeto de lei também exige que um profissional de saúde ou outro funcionário relate imediatamente qualquer falha no cumprimento deste requisito às autoridades legais.
  • A pessoa que violar os requisitos está sujeita a penalidades criminais – multa, até cinco anos de prisão ou ambas.
  • Além disso, um indivíduo que matar ou tentar matar intencionalmente uma criança nascida viva está sujeito a processo por homicídio.

O projeto não introduz nenhum novo obstáculo para a obtenção do aborto legal, mesmo até o terceiro trimestre. Nem criminaliza uma mulher por procurar um aborto. O projeto também permite maior financiamento federal para pesquisa neonatal.

É interessante notar que Joe Biden, o candidato democrata, apoia o aborto. Isso parece contradizer sua afirmação de ser um “católico praticante” e, em outubro de 2019, Biden teve negada a comunhão, um ritual católico, devido à sua plataforma pró-aborto.

É importante enfatizar que abortos e suicídios assistidos são ambos explicitamente contra a Lei de Noé, que proíbe o derramamento de sangue.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *